Publicidade

Correio Braziliense

Voluntários de alfabetização auxiliam turmas do ensino fundamental do DF

Assistentes atuam em 119 escolas de Brasília, orientando alunos dos dois primeiros anos do ensino fundamental em tarefas relacionadas a português e matemática


postado em 11/06/2018 20:40 / atualizado em 11/06/2018 20:41

Atualmente, há 140 assistentes na rede de ensino do DF, que atuam em 119 instituições de ensino. Outras 123 escolas estão cadastradas, e aguardam verba para receber os voluntários(foto: Bruno Peres/CB/D.A Press)
Atualmente, há 140 assistentes na rede de ensino do DF, que atuam em 119 instituições de ensino. Outras 123 escolas estão cadastradas, e aguardam verba para receber os voluntários (foto: Bruno Peres/CB/D.A Press)

 
Desde o início do ano, estudantes de 119 escolas do Distrito recebem o auxílio de assistentes de alfabetização. Junto aos professores, eles têm a missão de ajudar alunos entre 6 e 7 anos de idade com tarefas relacionadas à leitura, à escrita e à matemática. 

A função é voluntária, mas o assistente tem direito a uma ajuda de custo que varia entre R$ 150 e R$ 300. O recurso é disponibilizado pelo Ministério da Educação. Por meio do programa Mais Alfabetização, o órgão prevê a presença dos assistentes em colégios das redes públicas municipais, estaduais e do Distrito Federal.

Cada assistente pode atender até oito turmas dos dois primeiros anos do ensino fundamental. Para concorrer a vaga, ele deve ser graduando ou formado em pedagogia. Os assistentes de alfabetização são escolhidos por uma comissão, formada por gestores, professores e equipe pedagógica das escolas.

Junto aos alunos e os professores, o voluntário tem de cumprir alguns requisitos, como: apoiar o professor no auxílio às crianças que mais precisam de ajuda e reforço; conduzir, quando orientado pelo professor, a mediação de grupos em sala de aula; ajudar o professor nas atividades estabelecidas por ele; e acompanhar o desempenho escolar do aluno.

Atualmente, há 140 assistentes na rede de ensino do DF. Além das 119 que já estão com o programa em andamento, outras 123 escolas estão cadastradas e aguardam a liberação da verba.

O apoio do assistente de alfabetização ocorre prioritariamente no turno regular por um período de cinco horas semanais. No caso de escolas vulneráveis, a jornada é de dez horas semanais. 

Com informações da Agência Brasília

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade