Publicidade

Correio Braziliense

Mulher é condenada por matar namorado a facadas

O crime aconteceu em 2010. A ré chegou a começar a cumprir pena antes, mas foi solta depois de alegar insanidade mental


postado em 03/07/2018 22:11


O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) condenou uma mulher a 12 anos de prisão pelo assassinato do namorado. Bárbara Catarine Silva cometeu o crime em 2010 e chegou a ser condenada em 2013, quando começou a cumprir pena na Colmeia. Após alegar insanidade mental, Bárbara teve a decisão do júri anulada e foi solta. O novo julgamento ocorreu nesta terça-feira (3/7) sem a presença da ré, que, mesmo intimada, não compareceu à sessão. Ela tem até amanhã para se apresentar à polícia. 

No julgamento o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios se posicionou a favor da condenação da mulher incorporando o agravante de homicídio por motivo fútil. A defesa sustentou a absolvição, alegando legítima defesa. Os jurados acolheram, no entanto, a tese do MP. 

O juiz destacou na sentença que à época da primeira condenação, a ré entrou com uma ação revisional criminal para se submeter a exames de insanidade mental. Os laudos apontaram que Bárbara era  capaz de entender o caráter criminoso do fato. "A sensação de impunidade que passou para a sociedade, inclusive para os familiares da vítima, é imensa, um desprestígio da Justiça, pois eterniza-se a execução da pena até o ponto de não mais ter o fim de prevenção e de retribuição que objetiva. (...) Assim, determino o imediato início do cumprimento da pena", justificou o magistrado João Marcos Guimarães Silva. 

Segundo a denúncia do MPDFT, na madrugada de 31 de outubro de 2010, em um apartamento, em Taguatinga, Bárbara deu vários golpes de faca contra a vítima, Lúcio Batista da Silva Júnior, de 19 anos, que morreu em razão dos ferimentos. O crime teria sido praticado por motivo fútil, já que, segundo a acusação, a mulher teria matado o namorado por ciúmes, após terem reatado o namoro há um mês.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade