Publicidade

Correio Braziliense

A Copa acabou para o Brasil, mas a fofura dos pets não tem fim

Os brasileiros de quatro patas não poderiam ficar de fora da torcida pelo Hexa. Rumo ao Qatar!


postado em 06/07/2018 17:59 / atualizado em 06/07/2018 19:00

(foto: Danielle Wolff/Divulgação)
(foto: Danielle Wolff/Divulgação)
A Copa do Mundo contagiou até o reino animal. As cores verde-amarelo viraram uniforme dos bichinhos que torceram junto e acompanham os jogos do Brasil com seus donos. Os looks dos pets vão desde camisa com a numeração 10 do jogador mais querido do momento, Neymar, bandanas, bonés e até as camisetas personalizadas com o nome do animal.

Assim como todos os brasileiros, os torcedores de quatro patas não poderiam ficar de fora da torcida pelo Hexa. É como pensa a militar Thayná Barbosa, 28 anos, tutora de duas cachorrinhas, a Cloé e a Mel. “Gosto de incluir elas em tudo o que eu faço, então não poderia deixar elas de fora dessa”, comenta a tutora. Thayná contou ainda, que aonde ela for assistir ao jogo, as cachorrinhas vão junto. 

Manoel Pereira, 19 anos, morador de Samambaia tem três animais de estimação, o Theo, a Chanel e a Amora. Os três ganharam camisetas com as cores da bandeira para participar da festa. “Surgiu a ideia de personalizar as camisetas com os nomes deles e eu fiz porque eles participam de tudo que fazemos aqui em casa. Para onde vamos, levamos eles”, comenta o estudante.
 
Ver galeria . 17 Fotos O tutor Manoel, personalizou as camisetas da seleção com nome dos petsArquivo Pessoal/CB
O tutor Manoel, personalizou as camisetas da seleção com nome dos pets (foto: Arquivo Pessoal/CB )
 
 
E na torcida teve até quem foi com bola e tudo para os jogos. É o caso da Sushi, que na hora dos jogos vestiu a camisa 10 e acompanha tudo com sua bola nas cores do Brasil. Sua tutora, a médica Thereza Racquel Nogueira, 31, conta que a fêmea não tem medo dos fogos nem de barulho, pelo contrário, adora ver a farra. “Ela gosta muito de ficar na janela, porque na entrequadra tem um bar que transmite os jogos, aí ela fica atenta à festa do pessoal”, conta.

Já o dachshunds Fubá não se sente confortável com os fogos de artifício. Em compensação, com a roupa da Copa ele se sentiu bem demais, tanto que gostou até do complemento da bandana - do Santos para mostrar que não gosta de futebol só de quatro em quatro anos. “A gente assiste em casa mesmo, mas ele fica agitado com o jogo, acompanhando. Quando tem muito barulho colocamos ele no colo na hora, sempre com a roupa da Seleção”, diz Domitila Gomes, 34.

Encontro marcado


Quando Júlia Hueb e Igor Vendas tiveram a ideia de mapear os locais pet friendly em Brasília, no ano passado, nem pensaram na Copa, mas o torneio deste ano foi uma oportunidade a mais de mostrar aos tutores locais para todos aproveitarem. O casal marcou eventos na capital para reunir os pets e tutores em ambientes agradáveis nos dias de jogos do Brasil, como o Parque da Cidade.

“Nós criamos o site que mapeia os lugares que aceitam os animais e, com a Copa, as pessoas começaram a buscar a gente, porque temos mais de 400 lugares registrados. Então surgiu a ideia de fazer esse encontro lá, onde nós colocamos TV, caixas de som, podemos curtir a grama e interagir com harmonia”, conta Júlia. O encontro conta com cardápio para os humanos e até para os bichos, que se divertem na área verde e longe do barulho dos fogos de artifício, proibidos pelos organizadores. E, claro, não faltou verde-amarelo nem nas roupas deles.
 
* Estagiária sob supervisão de Mariana Niederauer 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade