Publicidade

Correio Braziliense

Instituto Doando Vida acolhe crianças em creche montada na Estrutural

Projeto para atender população em situação de vulnerabilidade começou com campanha de doação de sangue promovida por casal que perdeu filha e neta em acidente de trânsito


postado em 19/08/2018 08:10 / atualizado em 19/08/2018 09:04

As irmãs Jaqueline, Silvana e Luciana, mãe de Rafa e avó de Clara, tocam as atividades (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
As irmãs Jaqueline, Silvana e Luciana, mãe de Rafa e avó de Clara, tocam as atividades (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

Para lidar com a dor, cuidar dos outros. Foi assim que uma família brasiliense encontrou uma maneira de enfrentar o luto pela perda da filha, Rafaela Andrade Ramos, 26 anos, e da neta, Clara, 2, mortas em um acidente de carro no Canadá, em 2013 (leia Memória). Luciana Andrade e o marido, Henrique Andrade, ambos de 59 anos, descobriram o caminho da resiliência em 2014, quando se uniram com amigos de Rafaela para fazer uma campanha de doação de sangue. Há um mês, com mais duas irmãs, o casal deu início à organização não governamental (ONG) Instituto Doando Vida por Rafa e Clara, uma creche para crianças de 2 a 5 anos, na Estrutural.

O prédio fica na Quadra 8 do SCIA. Antigo almoxarifado de uma construtora, passou por reforma para receber, de segunda a sexta-feira, das 7h às 17h, 48 meninos e meninas moradores da Estrutural e de Santa Luzia, bairro da região administrativa. Um dos principais focos do trabalho é a alimentação dos pequenos, com quatro refeições balanceadas por nutricionistas voluntários.

Luciana sempre lembra da filha e da neta para explicar o funcionamento do local. “A Rafaela se formou em nutrição e fez um mestrado na área. Ela ia começar um doutorado focado justamente na segurança alimentar de crianças em situação de vulnerabilidade”, explica.

A primeira atividade é, justamente, o café da manhã. Depois, as turmas se revezam em atividades em sala de aula, no parquinho e em um espaço lúdico. Às 11h30, os pequenos provocam uma algazarra na cantina. É hora do almoço e eles se sentam perfilados em mesinhas na cantina, em pequenos grupos, com copos e pratos roxos, do mais velho para o mais novo.



Em seguida, é hora da soneca. As mesas e materiais das salas são recolhidos e empilhados e os professores espalham colchões nos espaços. Até o fim do expediente, as crianças lancham outras duas vezes.  “Desde que chegamos, todas as crianças ganharam peso, passaram por atendimento médico e estão se socializando melhor”, comemora.

Ela coordena a instituição com ajuda das irmãs, a primogênita, Jaqueline Studart Campos, 62, e a caçula, Silvana Studart Lins de Albuquerque, 56. Há uma fila de 25 crianças aguardando uma vaga na creche. Pais com bebês com menos de dois anos também procuraram o estabelecimento para conseguir matricular os filhos quando fizerem 2 anos.

Silvana, que é psicóloga, entrevistou cada uma das famílias atendidas pela Doando Vida por Rafa e Clara. “Queríamos ter a certeza de que estaríamos dando suporte para pessoas invisíveis à sociedade. Gente que tem que procurar emprego, mas não tem com quem deixar os filhos”, explica a mais nova das três.

Caminho de aprendizado


O trajeto percorrido pela família para lidar com a dor foi longo. Além das campanhas de doação de sangue, eles se mobilizaram para a construção do Centro Social Santa Clara, também na Estrutural, entre 2015 e 2017 e, no ano passado, decidiram montar a própria ONG.

“Sempre nos envolvemos com voluntariado. Eu conversava com a Rafa sobre isso. Tínhamos sonhos de fazer algo maior, mas ficava sempre no plano das ideias. Mas, quando sofremos o acidente e fomos buscá-la, começamos a falar sobre os sonhos dela, e decidimos que devíamos concretizar esses sonhos”, recorda Luciana.

Por fim, o trabalho que os ensinou a lidar com a dor e o luto também se transformou em um sentido para a vida. “Acredito que as coisas não acabam aqui, a gente vai se reencontrar. Aqui, estou vivendo o sonho da Rafaela e construindo o de muitas crianças. Realizando o sonho da minha filha, estamos mais próximos”, comenta a mãe de Rafa. “O dia que soube da morte da Rafa foi o mais triste da minha vida. Mas sinto que tem uma força maior por trás do que fazemos aqui. Tenho certeza de que tudo que fazemos focando no bem dos outros tem um respaldo. Aqui, eu me sinto mais leve, mais feliz. Quero dedicar minha vida a isso”, completa Silvana.

» Para ajudar
Interessados em fazer doações podem procurar o site do Instituto Doando Vida por Rafa e Clara, no endereço www.institutodoandovida.org.br. Informações: 98114-2211.

» Memória


Tragédia no Canadá
Em 24 de agosto de 2013, Rafaela Andrade Ramos, 26 anos, e o marido, Arthur Ramos, à época também com 26, levaram a filha, Clara, 2, para acampar em um lago na Província de Saskatchewan. Com passagens compradas para voltar ao Brasil em 11 de setembro daquele ano, eles pretendiam se despedir daquele país. Eles colidiram com outro veículo, que levava cinco passageiros, em um cruzamento, ao lado de uma plantação de trigo, próximo a Saskatoon, capital da região. Rafaela morreu na hora. Clara chegou a ser socorrida e levada para o hospital, mas morreu dois dias depois. A família doou os rins da bebê. Arthur foi internado com ferimentos leves, bem como três dos passageiros do outro veículo. A família havia se mudado para a América do Norte em 2011, com o objetivo de estudar. Ele fez mestrado na área de economia e ela, de nutrição. O casal namorava desde o ensino médio e a filha deles nasceu no Canadá.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade