Publicidade

Correio Braziliense

Festival Itinerante de Leitura usa escrita como ferramenta de transformação

No Festival Itinerante de Leitura, escritores usam a literatura como ferramenta de transformação. O programa atinge, em especial, crianças, mulheres em situação de vulnerabilidade, pessoas com deficiência e idosos


postado em 25/08/2018 07:00 / atualizado em 24/08/2018 23:38

Ação de ontem ocorreu na Obra Social Santa Isabel, em Brazlândia, uma casa de abrigo para idosos(foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)
Ação de ontem ocorreu na Obra Social Santa Isabel, em Brazlândia, uma casa de abrigo para idosos (foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)

A missão é simples: trazer a literatura para pessoas que perderam o costume de ler ou que ainda estão conhecendo as maravilhas que se escondem dentro de um livro. Este é o propósito do Festival Itinerante de Leitura, que, neste ano, chegou à 5ª edição e já atingiu mais de oito mil espectadores. Realizado com recursos do Fundo de Apoio à Cultura (FAC), o projeto reúne escritores, ilustradores e educadores do Distrito Federal e de outras unidades da Federação. Por meio da arte, eles tentam carregar alegria a locais como creches, hospitais, escolas, asilos e acampamentos rurais.

Ontem, o festival teve como palco a Obra Social Santa Isabel, em Brazlândia, uma casa de abrigo para idosos. Além de apresentar suas próprias obras, os escritores Alessandra Roscoe, 48 anos, Alexandre Rampazo, 47, e Penélope Martins, 44, levaram músicas e brincadeiras para as cerca de 50 pessoas presentes no local. “O fio condutor do festival é o afeto. O que nós fazemos é muito mais do que algo cultural. Nesse encontro, mostramos às pessoas que elas também são capazes de fazer rir e de emocionar”, destacou Alessandra, que também é coordenadora do festival.
 
(foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)
 

Durante duas horas, idosos e escritores se revezaram nas narrações. Entre um e outro conto, as risadas tomavam conta de toda a sala. Os ouvintes mais entusiasmados também batiam palmas. “É sempre uma troca de experiências muito grande. Várias coisas acontecem quando um livro está aberto. É possível, por exemplo, relembrar a infância de alguns idosos. Mesmo não sendo escritores, eles também têm uma história digna de ser ouvida e compartilhada”, frisou Penélope.

A ação de ontem foi uma das últimas desta edição do Festival Itinerante de Leitura. Hoje e amanhã, mais duas apresentações fecham o evento deste ano (veja Programação). De acordo com os participantes, expandir o acesso à cultura é um dos pontos principais da iniciativa. “As pessoas mais desfavorecidas precisam cada vez mais estar em contato com as manifestações artísticas. Quando nós temos a possibilidade de disponibilizar isso, a satisfação é grande. Pode ser uma ação pequena, mas tem um significado enorme para esse público”, observou Alexandre.


Felicidade


O aposentado Hernandes Liberal, 68, não se contentou em apenas escutar os relatos dos escritores. Também mostrou as suas habilidades como poeta, e recitou alguns versos que ele mesmo produziu. “Esse tipo de ação é maravilhosa. Nos ajuda a extravasar e a relaxar. É ótimo para a nossa mente, pois nos esquecemos de todos os problemas e focamos apenas em coisas boas”, apontou.
 
Maria Santana de Jesus, durante Festival Itinerante de Leitura, em Brazlândia.(foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)
Maria Santana de Jesus, durante Festival Itinerante de Leitura, em Brazlândia. (foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)
 

Assim como ele, a bibliotecária Maria Santana de Jesus, 61, interagiu durante toda a ação. A partir das histórias de Alessandra, Alexandre e Penélope, ela conseguia se recordar dos tempos de criança e adolescente. Do início ao fim da apresentação, um belo sorriso enfeitava o seu rosto. “O simples fato de eles terem vindo até aqui já é especial. O mínimo que nós pedimos é um pouco de atenção, e recebemos algo muito melhor. Isso é excelente. Eu me senti importante outra vez”, vibrou.

Para a aposentada Josefa de Oliveira, 70, a tarde ficou marcada na sua memória. Uma amante da arte, como ela mesma diz, comentou que participar da iniciativa foi importante para aumentar a sua autoestima. “Nós conseguimos resgatar um pouco do nosso passado. Momentos afetivos que tiveram alguma importância anteriormente. Não é todo dia que temos essa oportunidade. Isso traz um conforto enorme. Fico feliz em saber que ainda existem pessoas que tentam fazer o bem”, afirmou.


Anote
Programação do 5º Festival Itinerante de Leitura


Hoje
Horário: das 10h30 às 12h30
Local: Centro de Educação 
Infantil 4 de Taguatinga
Artistas: Alessandra Roscoe, Alexandre Rampazo, Penélope Martins e Marília Pirillo Evento voltado para crianças e bebês portadores de necessidades especiais

Amanhã
Horário: das 10h30 às 12h30
Local: Centro de Ensino Fundamental 15 do Gama
Artistas: Alessandra Roscoe, Alexandre Rampazo, Penélope Martins e Marília Pirillo Evento aberto à comunidade
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade