Publicidade

Correio Braziliense

Paralisação de rodoviários deixa 200 mil passageiros sem ônibus no DF

Ceilândia, Brazlândia e Recando das Emas foram as cidades mais afetadas. O Metrô-DF também enfrenta problemas na manhã desta segunda-feira (27/8)


postado em 27/08/2018 06:46 / atualizado em 27/08/2018 13:12

2.500 rodoviários fazem paralisação nesta segunda-feira(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
2.500 rodoviários fazem paralisação nesta segunda-feira (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Aproximadamente 2.500 rodoviários da empresa São José fizeram uma paralisação no começo da manhã desta segunda-feira (27/8). A greve deixou, nas primeiras horas do dia, 200 mil passageiros sem ônibus na Bacia 5 do Distrito Federal, que atende Brazlândia, Ceilândia, SIA, SCIA, Vicente Pires, Estrutural, Recanto das Emas e parte de Taguatinga. Os trabalhadores asseguram que o movimento não deve se repetir esta semana.
 
Os ônibus só começaram a sair das garagens por volta das 7h, quando as paradas já estavam lotadas e a estação do metrô de Ceilândia sofria com o fluxo de passageiros acima do previsto — a situação no metrô foi agravada por uma falha em algumas catracas, gerando uma fila imensa (veja vídeo abaixo).

O Sindicato dos Rodoviários do Distrito Federal informou que a paralisação acontece por problemas internos entre os trabalhadores e a São José. Os funcionários pedem que os ônibus passem por manutenção e que ex-funcionários da Cootarde, que passou a ser controlada pela empresa, sejam contratados.

Já a assessoria de imprensa da São José informou que foi surpreendida pela paralisação. "O sindicato parou toda a empresa de manhã, mesmo estando em período de (negociação da) database e a São José tendo participado de todas as negociações. Não fomos informados dessa paralisação", comentou a assessoria da empresa.


 

Metrô

Além da falta de ônibus na região oeste do DF, uma falha em uma das catracas do metrô também dificultou a ida do brasiliense ao trabalho. A fila de passageiros em Ceilândia chegou ao estacionamento da estação. De acordo com o Metrô-DF, a falha é anterior a paralisação dos rodoviários e não há previsão de quando a situação será normalizada. 



"As apontadas falhas são de ciência e o Metrô-DF vem buscando medidas junto ao órgão responsável, nesse caso o DFTrans. Cabe esclarecer que, apesar de instalados nas estações, os equipamentos pertencentes ao apontado sistema são geridos pelo DFTrans e possuem o serviço de manutenção restrito aos técnicos do citado órgão. Contudo, ainda não é possível informar previsão de reparo", informou o órgão através do serviço de atendimento ao passageiro.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade