Publicidade

Correio Braziliense

Eliana Pedrosa usa apoio da família Roriz para tentar chegar ao Buriti

No debate realizado pelo Correio, a candidata do Pros ao GDF disse que pretende combater o desemprego com investimento em indústrias sustentáveis e de turismo


postado em 28/08/2018 21:40 / atualizado em 29/08/2018 11:34

Candidata ao GDF, Eliana Pedrosa pretende criar VLT que liga Plano Piloto a Planaltina(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
Candidata ao GDF, Eliana Pedrosa pretende criar VLT que liga Plano Piloto a Planaltina (foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
Eleita deputada distrital por três vezes, em 2002, 2006 e 2010, a candidata ao governo do Distrito Federal pelo Pros, Eliana Pedrosa, concorre ao Buriti ao lado do vice, o ex-presidente da Câmara Legislativa Alírio Neto (PTB). Líder nas pesquisas de intenção de votos, Eliana recebeu o apoio da família Roriz, com quem manteve contato desde quando assumiu a Secretaria de Desenvolvimento Social do DF, na gestão do ex-governador. 

Com apenas 49 segundos de programa eleitoral na TV e no rádio, Eliana é cabeça de chapa da coligação Juntos de Você, com PTB, PHS, Patriota, PMN, PTC e PMB. Em sua segunda disputa ao Buriti, Eliana afirma que vai criar um Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) no Eixo Norte - o transporte sairia da Rodoferroviária sentido Planaltina, e investirá na área de mobilidade já existente na cidade. 

Para tentar conter o desemprego, a ex-deputada distrital pretende fazer do Distrito Federal um pólo para a indústria do turismo e da indústria sustentável. A partir de 2019, quer produzir eventos nacionais e internacionais na cidade e tentar criar novas oportunidades, a fim de "dar melhor qualidade de vida" à população. 

Nos discursos, Eliana ressalta que entre as prioridades da gestão dela estão a construção de creches, escolas, unidades de saúde e viadutos, além do investimento público em tecnologia. A candidata ao GDF conta que, para tentar reverter o cenário da saúde pública, vai criar um aplicativo para smartphones e tablets que mostre em tempo real quais unidades de saúde detêm médicos de determinadas especialidades.

Nas eleições de 2014, a candidata ao Buriti foi anunciada pelo PPS, contudo, não firmou aliança para vice de José Roberto Arruda (PR). Como solução, saiu para deputada federal, mas não conseguiu se eleger. Na área profissional, antes de iniciar carreira na política, atuava nas empresas da família, de serviços gerais e segurança.
 
Ver galeria . 15 Fotos Sete dos 11 candidatos ao Buriti participaram do debate promovido pelo Correio BrazilienseMinervino Junior/CB/DA Press
Sete dos 11 candidatos ao Buriti participaram do debate promovido pelo Correio Braziliense (foto: Minervino Junior/CB/DA Press )

Criação de empregos

"O [próximo] governo tem que ser firme e trazer novas oportunidades. Meu governo quer trazê-las a partir da indústria do turismo. Vamos trazer grandes eventos nacionais e internacionais, para que [essas empresas] tenham tempo suficiente para se instalarem e abrirem novos empregos. Queremos trazer também indústrias limpas, que não poluem o DF."
 

Empresário amigo 

"Uma pessoa que não é empresária não faz mais bem que o empresário ao Estado. Temos que mudar essa lógica, porque o Brasil sempre cresceu com a noção de que o empresariado é errado. Outros países, como os Estados Unidos, avançaram, enquanto nós ficamos nesse “reme-reme” com medo desse protagonismo no país. Na minha gestão, vamos valorizar os empresários que hoje estão fugindo de Brasília para investir, porque aqui há um difícil acesso ao crédito."

 
Empresas da família 

"A segurança jurídica é um princípio que eu quero estabelecer no meu governo. Se algum contrato das empresas da minha família estiver em vigor, chegará ao fim. A empresa não concorrerá à licitação. Quando a companhia encerrar os contratos, não vai haver desemprego, porque existe o compromisso [da empresa] com o sindicato que os trabalhadores são aproveitados pela nova empresa que entra. Não compactuaríamos com o desemprego dessas pessoas, seria cruel."
 

Corrupção

"A verdade é essa: a população do DF está totalmente insatisfeita com os rumos da política. Essa política trouxe tantas notícias que decepcionaram o povo e tantas questões trazidas pela Lava-Jato. O novo [outsider na disputa] é um nome novo que não traz em si a mácula da corrupção e que tem conteúdo para mostrar e posições positivas."

 
Rodoferrovirária-Planaltina

"Os governos anteriores deixaram prontos o projeto do VLT. Evidentemente, esse projeto tem que ser reanalisado, mas é perfeitamente possível sua execução. Não estou trabalhando só essa hipótese, mas de fazer, através de uma via férrea, o VLT saindo da Rodoferroviária até Planaltina. Extensão do que já existe, um projeto de Luziânia até a Rodoferroviária. Podemos fazer isso em parcerias com o governo federal e com recursos do DF, que eu pretendo aumentar a eficiência arrecadatória que, se crescermos um ponto, teremos recursos para pagar. Vamos entregar um transporte de massa com qualidade, que é possível."

Obras no trânsito

"Queremos trazer para o DF o desenvolvimento econômico e fazer os viadutos estratégicos nos principais pontos de estrangulamento do trânsito."
 

Novos viadutos

"Vamos começar as obras de construção de creches, de viadutos e de escolas pelas nossas cidades. Vamos começar em cada uma das cidades identificando as obras necessárias e trazer qualidade de vida, garantir atendimento na saúde, escolas de qualidade."

Saúde

"Queremos zerar as filas de cirurgia, ter um programa que atenda as pessoas remotamente. Vamos oferecer para a população um governo eletrônico, que o povo possa dialogar com o governo. Hoje, esses aplicativos já são uma realidade." 

Administrações regionais

"O plano do nosso governo é transformar as administrações regionais, que funcionam como cabides de emprego e prestam pouco serviços, em um grande Na Hora, com postos do CEB, Caesb, tirar carteiras de trabalho, identidade e inclusive levar para as administrações os licenciamentos ambientais e de empresas. Nós não levaremos a fiscalização para dentro das administrações, porque não podemos colocar quem fiscaliza subordinado de quem executa."

Assista à integra do debate: 
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade