Publicidade

Correio Braziliense

A voz dos bastidores: a atuação dos assessores dos candidatos ao Buriti

Fora dos holofotes, marqueteiros ficam atentos a todos os lances do debate e checam informações. Durante os intervalos, eles orientam os candidatos sobre o que devem dizer e, sobretudo, sobre o que não devem fazer


postado em 29/08/2018 06:00 / atualizado em 29/08/2018 11:29

O secretário de Comunicação do GDF, Paulo Fona, conversa com o governador Rodrigo Rollemberg(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
O secretário de Comunicação do GDF, Paulo Fona, conversa com o governador Rodrigo Rollemberg (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)


Enquanto candidatos duelam e apresentam propostas nos holofotes do estúdio, um grupo de assessores, políticos e marqueteiros fica nos bastidores a postos para checar informações, dar dicas e municiar os postulantes com algo que tenha passado batido ou possa fortalecer os discursos.

Ontem, no debate do Correio e da TV Brasília, os candidatos ao Governo do Distrito Federal contaram com o suporte de aliados e integrantes das equipes de coordenação de campanha. Ao longo do confronto e, sobretudo, nos intervalos, eles reagiram ao desempenho dos candidatos, passaram dicas e deram direcionamentos para os postulantes ao comando do Palácio do Buriti.

O coordenador de comunicação da campanha de Ibaneis Rocha (MDB), Paulo Pestana, detalha o trabalho feito nos bastidores. Segundo ele, tudo começa antes, na preparação para o debate. “Nós fazemos uma prévia, discutimos os temas e delimitamos algumas estratégias”, explica.


Durante o intervalo, assessores de Eliana Pedrosa fazem comentários e dão dicas à candidatada(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
Durante o intervalo, assessores de Eliana Pedrosa fazem comentários e dão dicas à candidatada (foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)

 

Apesar da preparação, Pestana comenta que, muitas vezes, o candidato desvia do que foi previsto e vai por outros caminhos. “Isso é natural. Quem está lá dentro sente o clima de uma maneira diferente de quem está de fora. Nós vamos apontando o que deu certo ou não.”

É função de quem apoia o candidato neste momento observar de fora o que está acontecendo e apontar acertos e falhas do desempenho, de acordo com o jornalista. “Nós temos também uma equipe externa que vai nos enviando reações das redes sociais e as impressões. Durante as pausas, trocamos ideias com o candidato e apresentamos isso a ele”, conta Pestana.

O atual secretário de Comunicação do DF, Paulo Fona, foi o responsável por auxiliar o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) nos estúdios da TV Brasília ontem. Fona explica que há uma equipe responsável por analisar a postura e as propostas dos outros candidatos.


A equipe de Fátima Sousa informa a ela quais são as fraquezas dela e dos adversários(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
A equipe de Fátima Sousa informa a ela quais são as fraquezas dela e dos adversários (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

 

Durante o debate, ele diz que é fundamental passar segurança e tranquilidade para o candidato conduzir as falas. “Quando ele vai bem, você transmite isso a ele, diz o que as pessoas estão comentando, fala sobre os elogios”, comenta. Outra questão importante, segundo o secretário, é mostrar ao candidato como ele pode responder a críticas. “Quando o adversário fala isso ou aquilo, nós fazemos observações para ele saber que tem condições de responder e esclarecer depois.”

Fátima Sousa, candidata do PSol, levou dois assessores para auxiliá-la no debate. Um deles —  Alexandre Varela —  mais voltado para análise política — e o outro —  Lincoln Macário — especialista em comunicação. Eles contam que também fazem um resumo com pontos fracos dos outros candidatos e da própria Fátima. “Com isso, vemos em que podemos encontrar uma contraproposta. Por outro lado, os adversários podem também saber um ponto fraco nosso que nem imaginamos. Quando somos surpreendidos, temos que ter agilidade para chegar lá e acalmar”, explica Varela.

No caso de Fátima, a principal preocupação dos assessores era com o tempo, pois, por ser professora, ela está acostumada a explanações mais longas. “Às vezes, um agente político, como o Fraga e a Eliana Pedrosa, fala com muita tranquilidade em três minutos. Já a Fátima, como professora, tende a elaborar mais”, diz Albuquerque. Além das conversas nos intervalos, eles passaram dicas para Fátima durante o debate, apostando em certa dose de mímica.


Júlio Miragaya discute com a equipe quais os temas que devem ser discutidos prioritariamente(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Júlio Miragaya discute com a equipe quais os temas que devem ser discutidos prioritariamente (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)


 

Detalhes e rapidez

Ex-secretário de Justiça e Cidadania e vice-presidente do PSD-DF, Arthur Bernardes acompanhou o candidato do partido, Rogério Rosso, ontem nos estúdios. Antes do debate, ele disse que Rosso praticamente nem precisaria de auxílio, por estar bastante preparado e pronto para as discussões que seriam propostas. Apesar disso, Bernardes correu para conversar com o candidato logo que o primeiro intervalo foi anunciado.

Além dele, o candidato a vice da chapa, Pastor Egmar Tavares (PRB), e o marqueteiro Roberto Bueno assessoraram o deputado federal licenciado. “O Rosso é muito ligado, muito ativo. Então, nos bastidores, nós temos que ficar também sempre muito atentos e ter rapidez”, diz Bueno. Rosso protagonizou com Rollemberg um dos momentos mais quentes do debate. Ele chamou o atual governador de mentiroso depois de receber críticas sobre sua gestão- tampão à frente do GDF, em 2010.

A candidata do Pros, Eliana Pedrosa, estava acompanhada por dois assessores de comunicação da campanha, Lenilton Costa e Maurício Junior. Eles também destacaram a preparação prévia para o debate. Os dois conversaram com a candidata durante as pausas e passaram dicas para o desempenho dela.

Segundo Costa, que coordena a equipe de comunicação de Pedrosa, o mais importante é estar atento aos detalhes e às falas de outros candidatos. “Durante o debate, o candidato fica muito focado nas propostas e no que se preparou para dizer. Então, nossa missão é ficar ligados o tempo todo nos detalhes para podermos chamar a atenção para isso quando fazemos alguma orientação”, detalha.

Ver galeria . 15 Fotos Sete dos 11 candidatos ao Buriti participaram do debate promovido pelo Correio BrazilienseMinervino Junior/CB/DA Press
Sete dos 11 candidatos ao Buriti participaram do debate promovido pelo Correio Braziliense (foto: Minervino Junior/CB/DA Press )


O ex-presidente do BRB Jacques Pena é o coordenador geral da campanha de Júlio Miragaya (PT). Ao lado de outros dois assessores, ele deu suporte ao petista ontem. Explica que debates anteriores ajudam na preparação, mas que a campanha é que dita o tom que o candidato assume. “Nós debatemos com nossos candidatos o que entendemos como prioridade naquele debate, segundo a evolução da própria campanha”, diz.

No confronto de ontem, ele explica a estratégia adotada por Miragaya e Fátima Sousa na segunda rodada de perguntas. Os dois candidatos de esquerda fizeram questionamentos apenas entre si. “Vendo que estávamos sendo excluídos pela vontade política daqueles candidatos que fizeram os questionamentos no bloco anterior, nós decidimos por fazer as perguntas entre nós”, argumenta.

Candidato do DEM ao GDF, o deputado federal Alberto Fraga contou com a ajuda de dois membros da equipe de campanha. O publicitário João Paulo Oliveira e a assessora de imprensa Camila Calazans foram os responsáveis por passar orientações ao candidato durante o programa.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade