Publicidade

Correio Braziliense

Mulher acusada de matar a mãe de criação é presa no Riacho Fundo 2

Polícia Militar encontrou a acusada após denúncia anônima. Ela estava foragida desde a data do crime, há seis anos. Acusada matou a vítima asfixiada


postado em 31/08/2018 20:35 / atualizado em 31/08/2018 20:40

(foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
(foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)

 

Seis anos após matar a mãe adotiva, Dheury da Silva Lopes, 24 anos, foi presa no Riacho Fundo 2 pela Polícia Militar, nesta sexta-feira (31/8). O crime aconteceu em 24 de agosto de 2012, na mesma cidade onde ocorreu a prisão. A acusada assassinou Ruth Lopes de Paula, uma tia que a criava, asfixiada. 

 

De acordo com informações da Polícia Civil, Dheury e a tia discutiam muito. Em algumas ocasiões, a vítima também batia na jovem. À época, a morte de Ruth pareceu ser de causas naturais, uma vez que ela sofria de anemia. A filha adotiva teria sido a responsável por encontrar o corpo. Contudo, o caso mudou com o laudo da necrópsia, que evidenciou sinais de estrangulamento. 

 

Dheury, que tinha 18 anos, foi acusada e condenada pelo homicídio. Ela tinha um mandado de prisão em aberto pelo crime e estava foragida. Nesta quinta-feira (31/8), policiais do 28º Batalhão de Polícia Militar (Riacho Fundo) receberam uma denúncia anônima sobre o paradeiro da condenada.

 

Militares patrulharam três possíveis endereços da mulher: Valparaíso, Santa Maria e Riacho Fundo 2. No último, a encontraram. Um morador do prédio onde ela residia recebeu os policiais, que foram até o apartamento onde Dheury estava. Ela dividia a moradia com o marido por cerca de dois meses. 

 

Ao ser abordada, a acusada não resistiu à prisão e acompanhou os policiais até a 29ª Delegacia de Polícia (Riacho Fundo 2), onde foi cumprido o mandado. Dheury foi encaminhada à carceragem do Departamento de Polícia Especializada (DPE), no Complexo da Polícia Civil (Parque da Cidade), onde permanecerá detida até a transferência para a Penitenciária Feminina do Distrito Federal, a Colmeia. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade