Publicidade

Correio Braziliense

Candidatos ao GDF lavam pés com água de nascente da Serrinha do Paranoá

Alexandre Guerra (Novo), Fátima Sousa (PSol), Júlio Miragaya (PT) e Paulo Chagas (PRP) participaram de ato em defesa da regularização e da preservação da região


postado em 02/09/2018 12:20 / atualizado em 02/09/2018 14:07

O candidato a vice de Rollemberg, Eduardo Brandão (PV), e os concorrentes ao Buriti Júlio Miragaya (PT), Alexandre Guerra (Novo), Fátima Sousa (PSol) e Paulo Chagas (PRP) em evento na Serrinha do Paranoá(foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A. Press)
O candidato a vice de Rollemberg, Eduardo Brandão (PV), e os concorrentes ao Buriti Júlio Miragaya (PT), Alexandre Guerra (Novo), Fátima Sousa (PSol) e Paulo Chagas (PRP) em evento na Serrinha do Paranoá (foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A. Press)


Quatro concorrentes ao Palácio do Buriti participaram neste domingo (2/9) de ato em defesa da regularização e da preservação da Serrinha do Paranoá (Lago Norte). Alexandre Guerra (Novo), Fátima Sousa (PSol), Júlio Miragaya (PT) e Paulo Chagas (PRP) ouviram as demandas de moradores e associações da região (que tem mais de 100 nascentes de água) e apresentaram propostas sobre o tema. Número dois da chapa de Rodrigo Rollemberg (PSB), Eduardo Brandão (PV) também participou da reunião. 

Durante o evento, os candidatos tiveram os pés lavados em bacias com água da nascente da Serrinha do Paranoá. A ideia, segundo os organizadores, era fazer um gesto que ficasse marcado para os participantes. “O ser humano só aprende pela experiência. Eles vão se lembrar, caso sejam eleitos, que molharam os pés nas águas da Serrinha do Paranoá”, disse Consolacion Sol Udry, presidente do Instituto Oca do Sol.

O evento foi organizado por associações de núcleos rurais da área. As principais demandas dos moradores são a regularização fundiária para as ocupações atuais e a preservação ambiental da Serrinha. As mais de 100 nascentes do local são responsáveis por cerca de 30% das águas limpas do Lago Paranoá, segundo dados de estudos técnicos das associações em parceria com instituições de pesquisa como a Universidade de Brasília (UnB) e Universidade Católica de Brasília (UCB). 

O empresário Alexandre Guerra, candidato do Novo ao GDF, afirmou que a regularização fundiária será uma das prioridades de um eventual governo. “Isso promove a inclusão social porque a pessoa passa ter oficialmente uma residência (pagando inclusive IPTU).” Ele destacou também que a legalização fortalece também a preservação ambiental e movimenta a economia. 

A concorrente do PSol, Fátima Sousa, prometeu transformar a Serrinha do Paranoá em região administrativa sustentável, caso seja eleita. “Temos que proteger essa área do nosso cerrado, até porque entregá-la à especulação imobiliária significa o fim para todo o DF e não só para a Serrinha”, justificou. 

Para candidato petista ao Buriti, Júlio Miragaya, a regularização fundiária da Serrinha do Paranoá é uma questão urgente que já deveria ter sido resolvida pelo poder público. “Estão esperando acontecer o mesmo que em Águas Claras, onde mais de 100 nascentes foram destruídas por conta da especulação imobiliária?”, questionou.
 
Primeiro dos postulantes ao Buriti a chegar ao evento, o general Paulo Chagas (PRP) destacou que a questão da legalização das terras no DF é um dívida histórica. “Eu empenharei o maior dos meus esforços para pagar essa dívida”, declarou. Chagas criticou a gestão da água em governos anteriores. “A crise hídrica não terminou. É um problema permanente. É preciso pensar, desde já, no futuro. O que passamos agora foi previsto no governo de Joaquim Roriz, que foi o único a iniciar obras de maneira proativa”, argumentou. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade