Publicidade

Correio Braziliense

Presa quadrilha especializada em roubar lojas de celular no DF

Apenas nos últimos dois dias, 14 pessoas foram presas. A estimativa é de que o grupo tenha causado um prejuízo de R$ 4 milhões


postado em 06/09/2018 13:56 / atualizado em 06/09/2018 14:58

Imagens de câmeras de segurança mostram o homem identificado como Maykonn Douglas da Silva Cordeiro assaltando loja em um shopping no centro de Brasília, em abril deste ano(foto: Polícia Civil / Divulgação)
Imagens de câmeras de segurança mostram o homem identificado como Maykonn Douglas da Silva Cordeiro assaltando loja em um shopping no centro de Brasília, em abril deste ano (foto: Polícia Civil / Divulgação)

A Polícia Civil do Distrito Federal cumpriu, nos últimos dois dias, 14 mandados de prisão preventiva e oito de busca e apreensão de membros de uma quadrilha especializada em roubar lojas de celulares em shoppings de Brasília. O grupo era investigado desde fevereiro deste ano, e a estimativa é de que tenha causado um prejuízo de R$ 4 milhões. 

 
Um membro do grupo, identificado como Maykonn Douglas da Silva Cordeiro, 25, conhecido como Beição, continua foragido. Segundo a polícia, em abril deste ano, ele cometeu um homicídio em Santo Antônio do Descoberto (GO), a cerca de 47km de Brasília. Segundo as investigações, ele era responsável por fazer o levantamento dos possíveis locais para assalto. 
 
As prisões fazem parte da operação Edge, deflagrada pela Coordenação de Repressão aos Crimes Patrimoniais (Corpatri), que iniciou as investigações após observar um aumento crescente dos roubos do tipo. Segundo o coordenador da Corpatri, Marco Aurélio Sousa, em 2016 foram registrados cinco casos, e em 2017 o número subiu para 21. Até maio deste ano, 11 ocorrências haviam sido feitas.

 
Modo de ação 

A facção agia em grupos de ao menos quatro pessoas, próximo ao horário de fechamento das lojas ou durante o almoço, quando havia menos funcionários no estabelecimento. Em um primeiro momento, dois integrantes fingiam ser clientes para depois anunciar o assalto. Enquanto isso, uma terceira pessoa ficava do lado de fora para alertar os comparsas caso aparecesse um segurança ou policial.
 
Os criminosos que estavam na loja amarravam os funcionários e colocavam telefones e carregadores em uma mochila. Depois, os três saíam com tranquilidade do shopping e fugiam em um carro dirigido por um quarto bandido. Havia ainda, também de acordo com a Polícia Civil, um receptador, Wisllan Borges Sales, 33, com quem foram encontrados diversos carregadores de celular. A polícia ainda vai investigar como era feita a venda dos aparelhos.
 
Carregadores foram encontrados em Ceilândia, na casa do receptador Wisllan Borges Sales. A polícia ainda vai investigar como objetos roubados eram revendidos(foto: PCDF / Divulgação)
Carregadores foram encontrados em Ceilândia, na casa do receptador Wisllan Borges Sales. A polícia ainda vai investigar como objetos roubados eram revendidos (foto: PCDF / Divulgação)
Ao todo, 17 pessoas foram identificadas como parte do grupo, sendo que dois deles morreram em confronto com a Polícia Militar de Goiás. Segundo o diretor da Divisão de Repressão a Roubos e Furtos, Ronney Matsui, nos sete meses de investigações, 39 crimes foram associados aos envolvidos, além dos roubos às lojas, como furto de veículos e o homicídio cometido por Beição.
 
Além das 14 prisões mais recentes, mais oito pessoas foram presas de abril a setembro, também associadas aos crimes de roubos às lojas, totalizando 23 presos. Uma adolescente foi apreendida por participar, em 24 de abril, de um roubo em um shopping de Taguatinga. Desde junho de 2018, não foram mais registradas ocorrências para o mesmo tipo de crime.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade