Publicidade

Correio Braziliense

GDF entrega parte das obras de infraestrutura em Vicente Pires

Pavimentação das avenidas equivale a 22% do total a ser concluído na Gleba 1. Outros trechos da região não têm previsão de entrega


postado em 06/09/2018 15:50 / atualizado em 06/09/2018 15:50

Avenida São Francisco recebeu pavimentação, meio-fio e sistema de drenagem(foto: Sinesp/Divulgação)
Avenida São Francisco recebeu pavimentação, meio-fio e sistema de drenagem (foto: Sinesp/Divulgação)

 
Foram entregue, na manhã desta quinta-feira (6/9), as obras de pavimentação e sistemas de drenagem nas Avenidas São Francisco e Governador, em Vicente Pires. A entrega oficial aconteceu na praça da Gleba 1 do Setor Habitacional. As rodovias entregues têm 2,5 mil m de pavimentação, 1,7 mil m de rede de drenagem e 6.150 m de calçadas.
 
Estavam presentes o chefe da Casa Civil, Sérgio Sampaio; o secretário de Infraestrutura e Serviços Públicos, Antônio Coimbra; o secretário de Segurança Pública, Cristiano Sampaio; e o presidente da Novacap, Júlio Menegotto. “Cada trecho que entregamos significa menos transtorno para a vida da população, simplesmente você acaba com a poeira, com o risco de doenças, com o grande transtorno aqui nessa região dos alagamentos, e isso vai acontecer paulatinamente em toda a Vicente Pires”, garantiu o chefe da Casa Civil.

As obras de reestruturação em Vicente Pires tiveram início em janeiro de 2016. Muito antes disso os moradores já sofriam com os transtornos causados por alagamentos das ruas nos períodos de chuva. Este ano, mesmo com as precipitações fora de época, foram registrados alagamentos em vários pontos da região.
 
De acordo com a Secretaria de Estado de Infraestrutura e Serviços Públicos, o investimento na infraestrutura da região que envolve as avenidas São Francisco e Governador foi de R$ 90,4 milhões, recurso utilizado para a construção de 45,5 km de redes de drenagem e 70 km de pavimentação asfáltica. Porém, até o momento, apenas 30% dos serviços de drenagem e 22% de pavimentação foram concluídos. No total, segundo a Secretaria, serão construídos 185 km de redes de drenagem, 250 km de pavimentação asfáltica e 22 bacias de retenção.
 

Expectativa pelo fim da obra 

 
Apesar da melhoria na infraestrutura, moradores reclamam dos transtornos causados por causa das obras em alguns trechos da região, o que impede o fluxo de pedestres e de carros, além do grande volume de poeira. É o caso da moradora Arlene Gonçalves, que há dois anos vive na Rua 4 da região. 
 
Ela reclama que em muitos trechos não existem mais calçadas nem estacionamentos e reclamou ainda da demora na entrega das obras. “Ficaram mais de um ano para entregar, muita poeira, não vai ter calçada, para sair do condomínio ficou péssimo. Não tem estacionamento, não tem lugar para estacionar”, desabafou.

Em relação à demora na entregas das ruas, Antônio Coimbra, secretário de Infraestrutura, argumentou que os processos são burocráticos, que vários projetos dependem da liberação de licenças ambientais e que cada região exige um plano estratégico diferente, o que pode levar tempo para ser refeito. 
 
Moradores reclamam de transtornos causados por causa das obras, como a poeira e a falta de espaço nas ruas(foto: Thiago Melo/CB/D.A. Press)
Moradores reclamam de transtornos causados por causa das obras, como a poeira e a falta de espaço nas ruas (foto: Thiago Melo/CB/D.A. Press)
 
 
* Estagiário sob supervisão de Mariana Niederauer 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade