Publicidade

Correio Braziliense

Qual o seu lugar predileto em Brasília? Veja redutos de paz e lazer no DF

Saiba o que tem de especial em lugares que alguns moradores da capital do país escolheram como preferidos


postado em 09/09/2018 07:00

Há alguns refúgios mais famosos, outros nem tanto. Praças, museus, cafés, parques, cada um com suas características, atraem os brasilienses que aproveitam o tempo livre(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Há alguns refúgios mais famosos, outros nem tanto. Praças, museus, cafés, parques, cada um com suas características, atraem os brasilienses que aproveitam o tempo livre (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

Passado e presente se encontram na capital ainda jovem. Em meio ao cerrado, na mistura da arquitetura planejada e do concreto com formatos modernos desenhados e pensados, as pessoas encontram em Brasília lugares para chamarem de “seus”.

A cidade mais conhecida por ser a sede do poder político brasileiro esconde espaços e pedacinhos amados por seus moradores. Céu único, arborizada, cidades com características próprias, vias largas, tesourinhas, balões e pardais, são algumas das características da capital federal, mas que também preserva o ar de cidade pequena, acolhedora. Há alguns refúgios mais famosos, outros nem tanto. Praças, museus, cafés, parques, cada um com suas características, atraem os brasilienses que aproveitam o tempo livre para desfrutar desses espaços, que são visitados por muitos e cultuados por alguns.

O Correio encontrou pessoas que quiseram compartilhar alguns dos vários lugares da capital que consideram especiais:

 
(foto: Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)
Geovanna Machado Silveira e Leonardo Lima na 308 Sul Quadra Modelo — SQS 308
Geovanna Machado Silveira, 26, estudante, e Leonardo Lima, 28, Designer, amigos e moradores do Guará II, costumam passear pela quadra modelo de Brasília. Leonardo conta que escolhe o caminho por conta da beleza e do estilo diferente da quadra. “Sempre venho cortando a quadra pelo meio, ela tem um ar vintage, mas, ao mesmo tempo, muito moderno. Gosto de reparar nos cantinhos e nas diferenças da paisagem daqui”, completa. Geovanna acredita que a quadra é muito fotogênica. “Aqui tem uma coisa meio plástica, retrô, fotogênica mesmo”, confirma Geovanna.

(foto: Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)

Café e um Chêro
Solange Carvalho Silva, Elenice Faria Carvalho e Maria de Lourdes Botelho no Café e Chêro, da 107 Sul 
Em uma tarde ensolarada, Solange Carvalho Silva, 80, dona de casa e moradora da Asa Sul, convidou as amigas que vieram lhe visitar para comemorar seu aniversário em um dos seus lugares preferidos da capital. O trio se encontrou no restaurante Café e um Chêro, para se deliciar com a pamonha que é servida às terças-feiras. Elenice Faria Carvalho,77, de Tupaciquara (MG), e Maria de Lourdes Botelho, 68, de Uberaba (MG), aprovaram a escolha da amiga. “O pessoal aqui é muito educado, eu sempre passava aqui e acabei fazendo amizade com o dono. Eles têm uma pamonha maravilhosa e, como moro aqui perto, acabei virando freguesa”, realça.


 
(foto: Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)
Museu Nacional da República Danilo Guimarães e Jackson Pacheco no Museu Nacional
Entre cigarros, conversas e sorrisos, sentados no chão e encostados no grande muro do Museu Nacional, os amigos Danilo Guimarães, 29, e Jackson da Silva, 29, aproveitam a tarde em um dos espaços turísticos da capital. Para eles, o local representa o ponto de encontro do grupo de amigos ao qual pertencem. Jackson considera a área especial pela questão da acessibilidade e pela diversidade de pessoas que se concentram ali. “O acesso aqui é mais fácil, fica perto da Rodoviária. A galera pode vir de metrô e de ônibus. Aqui tem muitas pessoas iguais a gente.” Danilo destaca a variedade de ações culturais que ocorrem no local. “Sempre tem evento legal, como o Green Move, Batalha de Rap e a Semana da Diversidade.” Os estudantes costumam visitar o museu pelo menos uma vez por mês.

(foto: Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)

 
Biblioteca Nacional de Brasília - Clara Lorena Carvalho,17, Biblioteca Nacional
De mochila cheia de livros, cadernos e material de estudos, Clara Lorena Carvalho, 17 anos, costuma frequentar a Biblioteca Nacional para estudar de olho nas provas do vestibular. Ela quer cursar medicina na Universidade de Brasília (UnB) e escolheu o lugar pela tranquilidade e pela facilidade de acesso. A estudante passa de três a quatro horas por dia estudando, depois de vir do estágio, no Guará. “Eu estudei em outras bibliotecas, mas nenhuma é como esta. Aqui eu me surpreendi. Encontrei o silêncio. É o meu lugar. As pessoas realmente respeitam e tem um acervo muito rico, que eu costumo usar”, observa.

(foto: Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)

 
Cine Brasília - André Spies no Cine Brasília
Em um início da noite de quarta-feira, o servidor do Ministério Público André Spies, 52 anos, morador da Asa Sul, caminhava pelo hall de entrada do Cine Brasília. André gosta frequentar a sala de cinema do prédio projetado por Oscar Niemeyer. “Costumo vir aqui logo depois que chego do trabalho. Às vezes venho só para comprar uma pipoca fresquinha
. Gosto muito daqui, pois, além de ser um patrimônio de Brasília, o estilo dos filmes são mais cult, 
aqui é uma joia cultural”, completa o cinéfilo.

 
(foto: Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)
Deck Asa Norte - Luciana Rocha e Leonardo Vieira no Deck Norte
Diante do pôr do sol característico de Brasília, Leonardo Vieira, 24 anos, ator, e Luciana Rocha, 45, servidora pública, aproveitavam o fim do dia para pescar no Deck do final da Asa Norte. “Gosto de vir aqui para relaxar. Nos últimos três meses, visitamos aqui quase todos os dias. Durante este tempo seco, ficar à beira do lago, nesse cantinho de Brasília, tem sido muito bom”, afirma o ator mostrando o resultado da pesca: tilápias para o jantar.
 
(foto: Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)

 
Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB)
Hugo Gonçalves,  Carolina Lannes, Gelio Filho, Rafael Lannes, Maiza Lannes, Marinalva Nalva Felipe, Igor Frutuoso e Priscila Dias no CCBB

Um grupo de amigos escolheu o Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB) para ser o cenário do encontro cheio de brincadeiras, risadas e confraternização. Se conhecem desde a infância e adoram curtir a vida juntos. Se encontraram a convite de Priscila Dias, 32 anos, frequentadora assídua do local. Ela conta que, sempre quando tem uma exposição ou evento de seu interesse, vai ao CCBB. “Gosto desse ar cultural daqui e também é gratuito. Além das exposições, têm eventos muito legais, como festas juninas e shows. É uma área ótima e muito bonita. Tem também uma arquitetura bacana para crianças.” E, por falar em crianças, estava presente o pequeno Rafael, de 3 anos, que animava a todos com uma brincadeira de avião. Priscila ressalta que fez o convite também por causa dele, para que pudesse ter mais liberdade de brincar. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade