Publicidade

Correio Braziliense

Conheça as 11 maiores feiras do DF, onde se pode encontrar de tudo um pouco

Entre bancas e barracas, atuam 15 mil feirantes, cerca 6 mil homens e 9 mil mulheres


postado em 11/09/2018 06:00 / atualizado em 11/09/2018 00:18

Jandira de Lourdes conta emocionada a paixão pelo trabalho:
Jandira de Lourdes conta emocionada a paixão pelo trabalho: "A feira pra mim é tudo" (foto: Leticia Takada/Esp. CB/D.A Press)
Muita gente reunida, vendedores competindo para atrair o freguês, bancas cheias de novidades, sacolas nas mãos... É assim uma feira, seja de roupas, de verduras ou de artesanatos. O Distrito Federal possui 65 pontos desse tipo — entre mercados livres, permanentes e de shopping. Algumas mais tradicionais que outras, mas todas com grande diversidade. Entre bancas e barracas, atuam 15 mil feirantes, cerca 6 mil homens e 9 mil mulheres.

Sozinhos ou com a família e amigos, os clientes costumam frequentar esses espaços todas as semanas, principalmente os que vendem frutas, verduras, carnes e outras comidas fresquinhas. Além disso, é possível encontrar roupas, brinquedos e produtos feitos à mão. No fim, para completar o passeio, ainda tem o tradicional pastel com caldo de cana.

As feiras são também espaços de convivência e interação social. Muitas histórias circulam pelos corredores. A Central Flores, por exemplo, é local certo para clientes que desejam comprar decorações de eventos, como é o caso de Kassia Roberta Cyriaco, 28 anos, que vai ao local quando organiza festas. “O preço é mais barato que nos outros locais e tem muitas opções, sempre que consigo, dou um pulinho aqui para ver as novidades”, comenta. Tem também quem procura comprar um agrado para os amigos e para enfeitar a casa, como a aposentada Lúcia Miranda Brito, 73 anos. Vai ao local no mínimo uma vez por mês. “Venho sempre, gosto de comprar plantas, flores e mudas, para minha casa e amigos”, comenta.

“A feira pra mim é tudo”. É assim que Jandira de Lourdes Andrade, 70 anos, define o local em que trabalha. Feirante desde 1968, ela montou a própria banca no Núcleo Bandeirante e lembra emocionada do início difícil. “Eu tinha dois filhos e meu marido, que era muito doente, tinha perdido o emprego. Começamos comprando as balanças a prestação” relembra.

Delícias Mineiras 


Natural de Caratinga (MG), o feirante Sebastião José de Melo, mais conhecido como Tininho, 61 anos, chegou a Brasília na década de 1970. Ele trabalha há 26 anos na Feira de Samambaia, na QN 202, onde vende de castanhas a biscoitos. Como um bom mineiro, comercializa o queijo fresco vindo do estado natal.

Ele conta que sua rotina diária é corrida. “Levanto, geralmente, às 5h da manhã, 7h estou aqui na feira e fico até as 18h. A loja fica aberta, eu saio para fazer compras, vendo, atendo, faço o que precisar”, afirma Tininho. Ele lembra o início precário da feira, em 1989. “Isso aqui era um Deus nos acuda, muita poeira e muita lama. Não tínhamos a loja, era só com a barraca”, comenta. Com o passar do tempo, a feira se tornou permanente, melhorou a estrutura e acumulou clientes fiéis. “A feira bomba no fim de semana, cheia de gente trazendo alegria”, finalizou Sebastião com um sorriso no rosto.

Ver galeria . 11 Fotos Feira dos Goianos : Elegante é pagar pouco, e na Feira dos Goianos isso é possível. As bancas oferecem moda praia, acessórios, roupas adulto e infantil de todos os tamanhos e para todos os gostos. O local conta com um complexo de nove galpões com inúmeras bancas. Segundo frequentadores, o melhor dia para comprar é na segunda-feira, porque todas as lojas estão abertas e as mercadorias são repostas. Distante 26,2 quilômetros da Rodoviária do Plano Piloto, os galpões funcionam de segunda-feira a domingo de 8h às 18h. Atenção! As bancas funcionam em dias e horários independentes.Marcelo Ferreira/CB/D.A Press - 7/12/10
Feira dos Goianos : Elegante é pagar pouco, e na Feira dos Goianos isso é possível. As bancas oferecem moda praia, acessórios, roupas adulto e infantil de todos os tamanhos e para todos os gostos. O local conta com um complexo de nove galpões com inúmeras bancas. Segundo frequentadores, o melhor dia para comprar é na segunda-feira, porque todas as lojas estão abertas e as mercadorias são repostas. Distante 26,2 quilômetros da Rodoviária do Plano Piloto, os galpões funcionam de segunda-feira a domingo de 8h às 18h. Atenção! As bancas funcionam em dias e horários independentes. (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press - 7/12/10 )


*Estagiárias sob supervisão de José Carlos Vieira



Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade