Publicidade

Correio Braziliense

Cultura fecha lojas da Fnac em Brasília e mais três cidades

Com fechamento das unidades do ParkShopping, Curitiba, Campinas e Morumbi Shopping (SP), marca francesa fica com apenas duas unidades no Brasil


postado em 11/09/2018 20:28 / atualizado em 12/09/2018 14:41

(foto: Divulgação)
(foto: Divulgação)
A Livraria Cultura, que controla as operações brasileiras da Fnac desde julho de 2017, encerrou as atividades da unidade do ParkShopping nesta terça-feira (11/9). Além desta, as lojas de Curitiba, Campinas e do Morumbi Shopping também tiveram as operações encerradas. No Distrito Federal, o grupo ainda conta com as lojas do Iguatemi Shopping e do CasaPark. 

Em nota, a assessoria de imprensa da Cultura disse que não comentaria suas decisões internas e admnistrativas. Mas, reinteraram que a livraria está "seguindo rigorosamente o seu planejamento estratégico para os próximos anos, de manter uma rede física de boa performance, melhorando a cada dia a experiência em loja de seus clientes, e, ao mesmo tempo, expandindo sua presença no e-comerce". 
 
Na época da venda da marca, a Fnac tinha 12 lojas em sete estados. Desde então, a Cultura vem num caminho de fusão das empresas. Dez pontos de venda foram fechados neste ano, incluindo a primeira loja da rede no país, inaugurada em 1999 em Pinheiros, na cidade de São Paulo. Atualmente, apenas duas unidades continuam em funcionamento: uma na Avenida Paulista e outra no Shopping Flamboyant, em Goiânia. 

Em Brasília, a rede francesa funcionava desde 2004, numa área de aproximadamente três mil metros quadrados, equivalente a 300 vagas de garagem. O ParkShopping, por meio da assessoria de imprensa, informou que existem negociações para que o local venha a ser ocupado por uma ou mais operações.  

Além da Fnac, a Cultura comprou a plataforma on-line de vendas de livros novos e usados Estante Virtual, em dezembro passado. Fundada em 2005, a empresa vendeu mais de 17 milhões de livros e detém quatro milhões de clientes cadastrados.
 
*Estagiário sob supervisão de Roberto Fonseca
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade