Publicidade

Correio Braziliense

Mais de 140 obras concorrem no Festival de Curtas das escolas públicas

Festival de Filmes de Curta-Metragem dos colégios públicos de Brasília chega à 4ª edição e premiará produções de estudantes do ensino fundamental, do ensino médio, da educação profissional e da educação de jovens e adultos


postado em 12/09/2018 06:00 / atualizado em 12/09/2018 09:58

Os estudantes Álefe, João Victor, Leandro, Calcifee e Eduardo participaram de um dos curtas selecionados(foto: Arthur Menescal/CB/D.A Press)
Os estudantes Álefe, João Victor, Leandro, Calcifee e Eduardo participaram de um dos curtas selecionados (foto: Arthur Menescal/CB/D.A Press)

Pelo menos uma vez por ano, alunos das escolas públicas de Brasília têm a oportunidade de mostrar as habilidades na produção de curtas-metragens. Com a supervisão de um professor, além de escrever o roteiro, os alunos atuam, filmam, editam e fotografam as cenas. Depois de finalizada, a obra concorre até a prêmio, e os alunos podem ganhar bolsas de estudo para a universidade.

A iniciativa em questão trata-se do Festival de Filmes de Curta-Metragem das Escolas Públicas de Brasília, evento que chega à 4ª edição este ano. Criado em 2015 pelas secretarias de Educação e de Cultura, o principal objetivo do festival é afirmar as identidades culturais e dar protagonismo para os cerca de 250 mil estudantes da rede pública do Distrito Federal.

“O festival é uma importante ação educativa por meio da arte, na qual conseguimos dar voz aos alunos. Apesar de serem 5 minutos de produção, eles têm espaço para se manifestar e divulgar um pouco das suas próprias histórias de vida. A união entre educação e cultura é fundamental para formarmos cidadãos com senso crítico”, explicou a subsecretária de Educação Básica, Luciana da Silva.

Para 2018, o festival recebeu a inscrição de 144 obras, feitas por estudantes dos 6º ao 9º anos do ensino fundamental, do ensino médio, da educação profissional e da educação de jovens e adultos (EJA). Os 30 melhores curtas — 15 dos alunos de ensino fundamental e 15 dos demais estudantes — foram escolhidos para concorrer às premiações do evento. Na próxima semana, as produções serão exibidas no Cine Brasília, dentro de uma das maiores festas do cinema nacional, o Festival de Brasília do Cinema Brasileiro.

Os alunos serão avaliados em nove categorias: melhor direção, melhor montagem, melhor fotografia, melhor roteiro, melhor ator, melhor atriz, melhor filme (escolhido pela comissão julgadora), melhor abordagem do tema e melhor filme (escolhido por júri popular). Além dos troféus, os estudantes receberão bolsas. “Mesmo para aqueles que não tenham os filmes premiados, todo o investimento, a iniciativa e a criatividade estarão incorporados pelo resto da vida e em qualquer atividade profissional que esse aluno venha a exercer”, apontou o secretário de Educação, Júlio Gregório Filho.

Conscientização

Um dos filmes selecionados para a premiação é o A chave da escola (e seus propositais elementos nonsense), produzido por estudantes dos 2º e 3º anos do ensino médio do Centro Educacional São Francisco, de São Sebastião. O curta conta a história de dois alunos que fazem uma cópia da chave da escola para ter acesso a todas as áreas do colégio que mais lhe agradam. No fim, eles emprestam a chave para outra aluna que precisava sair da escola devido a um problema com a mãe.

O estudante Álefe Pinheiro, 17 anos, é um dos atores. No ano passado, ele também participou do festival, sendo escolhido como o melhor ator entre as produções de ensino médio, da educação profissional e da educação de jovens e adultos. Já tem uma bolsa de 100% garantida para cursar teatro na universidade. Para ele, o evento significa uma oportunidade de mostrar o cotidiano das pessoas que vivem mais afastadas do centro de Brasília.

“É uma maneira de quebrar barreiras invisíveis que existem em torno do centro. Hoje, vivemos em um local considerado periferia no Distrito Federal por conta de tudo o que aconteceu desde a fundação de Brasília. Mas existem alunos com mentes brilhantes aqui dentro, que têm ideias maravilhosas. Não colocar em prática o que eles pensam seria um desperdício. Tanto para nós quanto para as pessoas que nos assistem”, comentou.

Também estudante e diretor do curta, Calcifee Zecaiê, 16, acredita que o festival é um atalho para que “os mais excluídos sejam escutados”. “O cinema traduz qualquer coisa. Ele é uma forma de comunicação. Além de valorizar aquilo que nos cerca, estamos mostrando para todos que também temos cultura. Muito mais do que filmes, todos nós estamos produzindo conhecimento”, disse.

Mesmo sem as melhores tecnologias para elaborar o filme, os estudantes finalizaram a obra em cerca de três semanas. “Todas as dificuldades técnicas acabaram superadas pela força de vontade. Quero fazer do cinema uma coisa positiva para a minha vida. Algo belo e de que eu me orgulhe. Acredito que, neste festival, estamos apenas começando. Ainda teremos várias oportunidades para expressar os nossos pensamentos pela arte”, lembrou Eduardo Nunes, 18, que foi operador de áudio nas gravações.

Assim como no ano passado, os estudantes esperam que a escola seja novamente premiada. João Victor de Souza, 17, responsável pela fotografia do filme, comentou que o feito seria uma injeção de ânimo para todos do grupo. “Nós sempre tivemos dificuldade para alcançar a arte e, ao mesmo tempo, sempre quisemos nos expressar. Não é porque estamos na periferia que podemos menos. Existem várias realidades e temos que continuar mostrando aquilo que sentimos para todo o mundo. O cinema é a nossa voz.”
 
Assista e vote nos melhores curtas por meio deste link: http://www.se.df.gov.br/votacao-juri-popular-4o-festival-de-curtas/ 
 
Premiação
O festival ainda premiará os estudantes do ensino fundamental com oficinas de aperfeiçoamento em uma produtora audiovisual e os estudantes de ensino médio com bolsas para ingresso no Centro Universitário Iesb. Melhor ator e melhor atriz terão bolsa integral para curso de teatro; melhor diretor, bolsa integral para o curso de cinema; melhor montagem e melhor roteiro, bolsa parcial para curso de cinema; e melhor fotografia, bolsa parcial para curso de fotografia.


Anote

» Mostra do 4° Festival de Filmes de 
Curta-Metragem das Escolas Públicas de Brasília, no 51º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, no Cine Brasília (106 Sul)

» Segunda-feira, das 9h às 12h. Exibição das 15 produções fílmicas do ensino médio, educação profissional, educação de jovens e adultos e premiação

» Terça-feira, das 9h às 12h, no Cine Brasília. Exibição das 15 produções fílmicas do ensino fundamental e premiação.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade