Publicidade

Correio Braziliense

Umidade pode chegar a 12% e DF deve entrar em estado de emergência

A estimativa é de que os termômetros marquem a máxima de 30ºC à tarde, entre as 12h e as 16h


postado em 12/09/2018 06:00

Incêndio no cerrado nas proximidades da UnB: perigo maior na seca(foto: CBMDF/Divulgação)
Incêndio no cerrado nas proximidades da UnB: perigo maior na seca (foto: CBMDF/Divulgação)

A seca permanece no Distrito Federal pelo menos até o fim desta semana. A umidade relativa do ar pode chegar até os 12% hoje. A previsão é do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Caso o índice caia durante o dia, a Defesa Civil deve emitir estado de emergência. A estimativa é de que os termômetros marquem a máxima de 30ºC à tarde, entre as 12h e as 16h. Na estiagem, é necessário tomar cuidados com a saúde para evitar problemas respiratórios característicos da época, além de cuidados com o cerrado para evitar queimadas.

Meteorologistas do Inmet e técnicos da Defesa Civil estão atentos à umidade do ar desde o início do inverno, em 21 de junho. A preocupação é para emitir alertas à população, como explicou a tenente-coronel Solange Ribeiro, da Defesa Civil. “A declaração que emitimos é para tentar amenizar os efeitos da seca na rotina dos trabalhadores, com ajustes de horários e cuidados a serem tomados com a saúde”, afirmou. Neste ano, em 12 de agosto, foi necessário declarar estado de emergência — a umidade alcançou 10% (veja tabela de alerta).

O otorrinolaringologista Jairo de Barros Filho, do Instituto Brasiliense de Otorrinolaringologia (Iborl), explica que os mais afetados pela estiagem são as crianças e os idosos. “São pessoas com a saúde mais delicada; portanto, suscetíveis aos problemas dessa época. Por isso, também é preciso manter a higiene doméstica para evitar o acúmulo de ácaros, fungos e poeira”, alertou.

Queimadas
Os cuidados devem ser mantidos por todo o período. Mas, para a próxima semana, o brasiliense pode contar com a possibilidade de mudança no tempo, segundo a meteorologista do Inmet Maiane Araújo. “Temos uma pequena chance de chuvas em áreas isoladas. A previsão é de que a atual massa de ar seco passe a ser mais úmida, gerando melhora na qualidade do ar”, previu.

Apesar da possibilidade de chuva, a probabilidade de queimadas continua, como detalha o major Gildomar Reis, chefe da Comunicação do Corpo de Bombeiros. “Não se deve jogar pontas de cigarro em beiras de estradas, nem fazer fogueiras próximas às vegetações de grande área demográfica. É preciso evitar queimar lixo, especialmente em áreas rurais. Para o fogo, não há segurança. O vento pode levar uma brasa até uma área de vegetação, iniciando um incêndio”, concluiu.

Um comparativo entre agosto de 2017 e 2018 aponta uma redução de quase 67% nos números de incêndios florestais: foram 3.018 no ano passado e 1.812 neste ano.

 
Cuidados básicos 
» Ingerir líquido
» Hidratar a pele
» Umidificar o ambiente (com umidificador ou toalha molhada)
» Lavar os olhos com soro fisiológico
» Evitar atividades físicas em locais abertos entre as 10h e as 16h 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade