Publicidade

Correio Braziliense

Candidatos do DF buscam parcerias com aliados nos municípios vizinhos

A integração na região com projetos de desenvolvimento, transporte, segurança e saúde compõe promessas


postado em 17/09/2018 06:00 / atualizado em 17/09/2018 10:35

Candidado Rodrigo Rollemberg(foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)
Candidado Rodrigo Rollemberg (foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)
A busca por votos na corrida pelo Palácio do Buriti não se limita às extremidades do quadrilátero. Os candidatos à liderança do Executivo Local incluem nos planos de governo promessas relacionadas à população do Entorno do Distrito Federal e adicionam nas agendas de campanha visitas a municípios goianos. Entre os projetos estão a integração da mobilidade, a segurança, a saúde, a economia e até mesmo a criação de órgãos públicos para tratar de assuntos da Região Integrada de Desenvolvimento do DF e Entorno (Ride-DF).

Não há dados que mostram quantos moradores do Entorno votam em Brasília, mas, entre novembro de 2016, após as eleições municipais, e maio deste ano, 13,8 mil pessoas transferiram o título de eleitor dos municípios goianos e mineiros da Ride para o DF, de acordo com o Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal (TRE-DF). O município com mais pedidos de alteração é Valparaíso de Goiás, com 1,8 mil solicitações. Segundo especialistas ouvidos pelo Correio, isso decorre da dependência que essas regiões têm de Brasília, e uma identificação maior com o cenário político do DF. 

O professor da Universidade Federal de Goiás e pós-doutor em ciências sociais Luiz Signates explica que o Entorno do DF é uma área com problema de identidade, por não se encaixar nas políticas públicas de nenhum lado da fronteira. “Boa parte trabalha ou estuda no DF, consolidando a noção de cidade-dormitório, assim o governo de Goiás é visto como longínquo e ausente”, explica. Na outra via, Luiz explica que os ocupantes do Palácio das Esmeraldas também mostram um quadro de desconhecimento sobre o Entorno. “E, para piorar, muitos detêm títulos eleitorais do DF, resultando numa população que preenche os espaços urbanos das cidades goianas, mas não fazem parte do eleitorado delas.”

O especialista aponta que, mesmo na mira de dois governos, a população não tem quem consiga resolver seus problemas. “Governadores de Goiás e do DF deveriam estabelecer programas comuns de atendimento à população das cidades dessa região, constituindo uma espécie de zona de compartilhamento de providências, destinadas à melhoria da qualidade de vida dessas populações.”

Palanque duplo 

Cinco candidatos ao GDF já visitaram municípios goianos. Para conseguir dialogar com o eleitorado misto que vota em duas unidades da federação, alguns concorrentes vão aos municípios acompanhados dos candidatos do partido para o Governo de Goiás. Miragaya (PT) caminhou pelo centro de Águas Lindas de Goiás com a candidata ao governo goiano, Kátia Maria (PT), e no domingo se reuniu com moradores do Novo Gama e Valparaíso. 

“Na minha época na Codeplan, fizemos um estudo e 12 municípios do Entorno têm uma relação de consumo e trabalho direto com Brasília, como se fossem bairros, seguindo o modelo que temos dentro do DF com as nossas regiões administrativas”, afirma. O candidato defende propostas de desenvolvimento que atinjam às 1,3 milhão de pessoas que vivem na região. (Leia mais no quadro) 

Fátima Sousa (Psol) visitou quatro municípios goianos. Tendo em vista que o estado vizinho elege candidatos de centro direita há quase quatro décadas, Fátima aposta na capacidade de convencimento para garantir parcerias. “O fato de sermos diferentes não significa que não vamos sentar à mesa para conversar. Sempre transitei por diferentes ambientes, sem deixar de lado as minhas defesas e ideias. Se eleita for, os convencerei que estou dizendo o que temos de melhor para a região”, afirmou. 

Dividir as contas 

O deputado federal licenciado Rogério Rosso (PSD) esteve na Cidade Ocidental no fim de agosto e defendeu a criação de uma secretaria da região Metropolitana do DF, que incluiria também o Entorno. Mas o candidato acredita que isso será possível a partir de uma parceria com os governos de Goiás e Federal. “O DF não pode usar recurso próprio para incentivar a região vizinha.” 

Para a comunicadora e professora de pós-graduação no UniCEUB, Jaqueline Buckstegge, não dá mais para o DF se exonerar da responsabilidade sobre o Entorno. “Os governantes precisam ter em mente os impactos a longo prazo que vamos ter no DF, se não trabalhamos a questão do Entorno agora. São duas regiões que hoje dependem uma da outra”, explica. 

A especialista destaca a questão da mobilidade urbana, que aparece nas promessas de sete dos 10 candidatos. “No DF estamos começando a perceber que a mobilidade urbana é um enorme problema que chegou às nossas portas. Não vejo problema em fazer promessas para vias interestaduais, mas tem que ser vinculado a discussões e negociações entre o governo dos estados”, aponta. 

Alexandre Guerra (Novo) já fez campanha em Águas Lindas de Goiás e Valparaíso de Goiás, e pretende voltar ao Entorno até o fim da campanha. Guillen (PSTU) teve reuniões com comunidades de sem-terra na fronteira entre Brazlândia e Águas Lindas de Goiás. 

O governador Rodrigo Rollemberg (PSB) ainda não visitou o Entorno durante as agendas de campanha, mas desde o começo do ano aproveitou as visitas às obras de Corumbá IV, em Valparaíso de Goiás e Luziânia, para destacar o exemplo de um trabalho conjunto com o governo vizinho, o qual afirmou que é a parceria mais frutífera em benefício à população da região. “Essa obra (Corumbá IV) é a maior demonstração de que quando governos de unidades da federação diferentes se unem ao governo federal e colocam os interesses da população acima de qualquer interesse pessoal e partidário, quem ganha é a população brasileira, a população de Brasília e a população de Goiás”.

A cada 4 anos, as promessas:

Criação de pólos de desenvolvimento, parcerias com os governos de Goiás e federal, projetos para a área de transporte são algumas das propostas dos candidatos ao Executivo para a região do Entorno. Conheça compromissos para os municípios vizinhos dos políticos que querem governar o Distrito Federal.

Alberto Fraga (DEM)

“No meu governo, vou criar pólos de desenvolvimento econômico com infraestrutura e mão de obra capacitada, como forma de gerar emprego, renda e arrecadação. Vou realizar convênios para interação e integração entre os órgãos de segurança pública do DF e do Entorno, com operações conjuntas, a fim de combater o alto índice de criminalidade da região.”

Alexandre Guerra (Novo)

“Vamos planejar um cinturão de desenvolvimento econômico com a presença de empresas e indústrias, que não são vocacionadas no Distrito Federal, para gerar renda e emprego nessas regiões. A nossa proposta é que essas regiões dependam menos do Distrito Federal e cresçam. Todas essas ações vão ser realizadas com a colaboração do governo dos estados vizinhos.”

Eliana Pedrosa (Pros)

“Em um primeiro momento, faríamos uma parceria com o governo de Goiás para fazer uma linha entre Luziânia e a Rodoferroviária de Brasília. Após isso, o plano é ampliar a linha até Formosa. Ainda na mobilidade urbana, queremos propor uma parceria para construir mais uma pista na BR-040, próximo a Valparaíso, para diminuir o congestionamento na região”

Fátima Sousa (PSOL)

“Vamos retomar o Conselho de Desenvolvimento da região do Entorno. Quero fazer um consórcio de cogestão no que se refere a área da saúde, que será uma agenda central. Temos também projeto de um trem que liga Luziânia ao DF, desafogando o trânsito da saída sul. Já nos primeiros dias de governo quero articular com o Ministério dos Transporte, das Cidades e com o Banco Mundial a captação de recursos para a obra”

General Paulo Chagas (PRP)

"Se eleito como governador não posso ignorar, como têm sido feitos os municípios que compõem a Ride. A articulação socioeconômica dessas populações guarda enorme potencial de crescimento, gerando emprego, renda e melhorando a qualidade de vida de seus habitantes. Inúmeras oportunidades poderão se concretizar, com destaque para as áreas de Transportes, Logística, Telecomunicações, Tecnologias, Recursos Hídricos, Energia, Saúde, Educação, Segurança Pública, Defesa Civil e Assistência Social”

Guillen (PSTU)

“Nosso programa tem foco na agricultura familiar, e podemos desenvolver um grande trabalho no Entorno. Essa ação não custa caro, e fará com que os alimentos se tornem mais baratos no DF. Na mobilidade, podemos usar as ferrovias federais que passam por Valparaíso e seguem até a antiga Rodoferroviária para desafogar o trânsito e diminuir os congestionamentos”

Ibaneis Rocha (MDB)

“A questão do Entorno vai ser resolvida a partir de um movimento que eu vou liderar no Congresso Nacional, criando a região metropolitana do DF. Só com um novo ordenamento jurídico poderemos vencer os entraves burocráticos que impedem que bens e serviços cheguem àquela população. Com a criação da região metropolitana, os serviços públicos poderão ser unificados, o bilhete único passará a valer para os moradores, haverá melhorias no sistema de saúde e em todo o atendimento”

Miragaya (PT)

“Defendo a institucionalização da região, que ocorreria a partir de aprovação dos dois governos. Com a institucionalização criamos um organismo de gestão metropolitana, que engloba o DF e o Entorno, e poderemos receber recursos federais direcionados para toda a área. A partir disso, o desafio será equacionar os problemas e poder resolvê los com esses novos recursos”

Rodrigo Rollemberg (PSB)

“Estamos fazendo a maior obra de captação e tratamento de água em curso no Brasil em parceria com Goiás que é a obra de Corumbá. No próximo mandato vamos integrar as bacias do transporte coletivo com as cidades do Entorno, implantar o BRT ligando Santa Maria e Luziânia e apoiar a implantação do trem de média velocidade ligando Brasília a Goiânia”

Rogério Rosso (PSD)

“Vamos criar a Secretária da região Metropolitana, que inclui o Entorno. Com isso, vamos incentivar o desenvolvimento e aguardar as eleições do Goiás para propor uma agenda conjunta com o Governo Federal para a região. 200 mil pessoas moram em Goiás e trabalham aqui, se gerarmos emprego em seus municípios, vamos liberar vagas em Brasília.”

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade