Publicidade

Correio Braziliense

Moradores ficam ilhados em Vicente Pires após danos causados pela chuva

Ruas ficaram alagadas e o barro causado pelas obras de captação de água pluvial impediram condutores de sair de casa


postado em 18/09/2018 14:06 / atualizado em 18/09/2018 17:18

Chuva em Vicente Pires deixa ruas alagadas (foto: Reprodução/WhatsApp)
Chuva em Vicente Pires deixa ruas alagadas (foto: Reprodução/WhatsApp)

 

Junto com as primeiras chuvas da primavera chegaram alguns transtornos para moradores do Distrito Federal. Durante a madrugada e a manhã desta terça-feira (18/9) a comunidade de Vicente Pires foi surpreendida pela chuva. Ao saírem de casa se depararam com ruas alagadas, veículos imersos em água e pedestres tendo que atravessar a via com a ajuda de escavadeiras. 

 

Por causa das obras, de captação de água pluvial em Vicente Pires, iniciadas em setembro de 2015 e previstas para ficarem prontas em dezembro, com um ano de atraso, as ruas 3, 8 e 10  foram as mais prejudicadas. A terra dos canteiros escorreu e invadiu casas; as ruas que ainda não estão pavimentadas ficaram inundadas.

 

Gisele Reis, 32 anos, mora na Rua 3 e conta que o marido, que é motorista, perdeu o dia de trabalho porque não conseguiu sair de casa com o carro. “Estamos vivemos nessa situação horrível e acabamos sendo muito prejudicados. Eu não consigo sair de casa nem para levar meu filho na escola, que é longe. Para ir aqui perto tenho que ir a pé, me afundando na lama”, desabafa. 

 

A doméstica Eunice Ferreira, 41, viveu momentos de desespero quando passava pela Rua 10 durante o temporal. “Eu estava a pé e chovia muito. Quando vi já tava com água batendo nas canelas e era forte a coisa. Fiquei desesperada com medo de ser levada. Graças a Deus deu tudo certo, mas achei que fosse morrer ali mesmo.”

Mais chuvas

Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), há chances de chover forte em algumas regiões, principalmente à tarde, com trovoadas e um volume grande de água, o que liga um alerta dos brasilienses em relação aos acidentes de trânsito, alagamentos e quedas de árvores ou estruturas metálicas.

 

Em caso de emergência, entre em contato com a Defesa Civil pelo 3362-1934 ou pelo 3362 1948.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade