Publicidade

Correio Braziliense

Loja no Recanto das Emas é arrombada por gangue da Marcha-Ré

Dois integrantes foram detidos pela polícia militar, que foi acionada por uma testemunha que presenciou a tentativa de assalto


postado em 18/09/2018 21:05

(foto: PMDF/Divulgação)
(foto: PMDF/Divulgação)
 
A gangue da Marcha-Ré fez mais uma vítima na madrugada desta terça-feira (18/9). Um adolescente de 17 anos e um homem de 23 tentaram assaltar uma loja de eletrônico no Recanto das Emas, utilizando um carro e dando ré no portão do estabelecimento, com o objetivo de derrubá-lo. A Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) foi acionada e conseguiu deter os dois envolvidos. 

As câmeras de segurança do local flagraram o momento em que o carro invade a loja. Os ocupantes não chegaram a sair do veículo e saíram do local, deixando a loja arrombada. 
 
 

De acordo com a corporação, após o barulho da batida, um vizinho viu a situação e gritou. Os criminosos se assustaram e fugiram antes de roubar os produtos eletrônicos da loja. A testemunha acionou a polícia, que conseguiu localizar o veículo. A dupla abandonou o carro e tentou fugir a pé, mas foi capturada. 

Para o empresário Francisco de Sousa, 56 anos, dono da loja, ficou o prejuízo. "Além da porta, a vitrine com o vidro temperado também ficou destruída. Vamos gastar por baixo mais de R$ 1 mil só com o portão. Mas pelo menos está todo mundo bem e não levaram os produtos", contou. 

Após serem detidos, o adolescente foi levado para a Delegacia da Criança e do Adolescente e o maior para 27ª Delegacia de Polícia (Recanto das Emas). 
 

Outras atuações


Em junho deste ano, a  Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) prendeu cinco integrantes da quadrilha, em Águas Lindas de Goiás (GO). A gangue agia em todo o DF, normalmente em grupo de pelo menos quatro pessoas, e usavam os carros furtados para entrar de marcha à ré nas lojas. 

A perseguição contra grupos que agem com o mesmo modus operandi é antiga. Em 2014, cerca de vinte pessoas foram presas pelo mesmo crime. À época, a quadrilha atuava em Ceilândia, Taguatinga e Samambaia. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade