Correio" /> Correio" /> Correio" />
Publicidade

Correio Braziliense

Paulo Roque (Novo), candidato ao Senado, critica juros ao consumidor

"O mercado hoje tem muitos bancos, mas o problema é que os pequenos não conseguem crescer, e os grandes vão ficar sempre maiores", disse em sabatina do Correio


postado em 19/09/2018 06:00 / atualizado em 18/09/2018 23:23

Paulo Roque, candidato ao Senado pelo Partido Novo(foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
Paulo Roque, candidato ao Senado pelo Partido Novo (foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)

No segundo dia de entrevistas com candidatos do Distrito Federal ao Senado, o advogado Paulo Roque (Novo) foi o primeiro entrevistado do dia. O advogado especialista em direito do consumidor Paulo Roque criticou o sistema de juros ao consumidor brasileiro e ao pequeno, micro e médio empreendedor. Para reverter esse excesso, ele sugeriu abrir o mercado para outras instituições financeiras e estimular a concorrência regular.
 
“O mercado hoje tem muitos bancos, mas o problema é que os pequenos não conseguem crescer, e os grandes vão ficar sempre maiores. Hoje, o consumidor paga 300% ao ano de juros no cartão de crédito e por volta de 200% de cheque especial. O empreendedor brasileiro paga, em média, 90% de juros superior dos que o cobrado internacionalmente. Isso não pode continuar desse jeito”, frisou.

Na área da segurança, Paulo Roque posicionou-se a favor da redução da maioridade penal para 16 anos. “Um jovem hoje de 16 anos tem a compreensão que um jovem não tinha há 20, 30 anos. O Brasil precisa adotar um modelo intermediário, como o francês, em que a maioridade passe para 16, mas o adolescente que cometer um crime cumpra metade da pena de alguém com 18 anos”, afirmou.

Paulo Roque também mencionou três frentes para a redução de criminalidade: a criação de uma lei para bloquear o sinal de celulares em presídio, a instalação de um sistema de identificação único para reconhecer pessoas com restrição de liberdade e investimento em tecnologia. O advogado ainda se mostrou em favor do fim do foro privilegiado.

Por fim, defendeu que, se eleito, vai instaurar o chamado “código de defesa do eleitor”. “O que vemos na propaganda eleitoral é uma publicidade enganosa. Alguns prometem tudo para ganhar o pleito, mas sabem que não têm condições de cumprir. Vamos sugerir combate a esse abuso do programa eleitoral. O eleitor precisa ser respeitado, assim como o consumidor”, alegou o candidato ao Senado da coligação do concorrente ao Buriti Alexandre Guerra.

A série de sabatinas promovidas pelo Correio e transmitidas ao vivo pelas redes sociais começou na segunda-feira. Hoje, participam Fernando Marques (SD) e Fadi Faraj (PRP). 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade