Publicidade

Correio Braziliense

Mortes no trânsito caem 70% em vias que tiveram velocidade reduzida

O Detran diminuiu de 60 km/h para 50 km/h a velocidade máxima de vias de Águas Claras e Taguatinga onde havia acidentes recorrentes.


postado em 20/09/2018 20:05 / atualizado em 20/09/2018 20:18

A Avenida Samdu foi uma das vias que teve a velocidade reduzida para 50 km/h(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
A Avenida Samdu foi uma das vias que teve a velocidade reduzida para 50 km/h (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Diminuir a velocidade máxima de oito vias do Distrito Federal trouxe reflexos positivos para o trânsito e a vida dos brasiliense. Em um ano, o Departamento de Trânsito (Detran) registrou 70% de mortes a menos nos locais alterados. De abril de 2015 a abril de 2016, sete pessoas perderam a vida contra duas no mesmo período, 12 meses depois. 

O número de acidentes com vítimas também caiu em 35,9%. Um ano depois da mudança, foram registrados 196 casos. No mesmo período do ano anterior às alterações, foram 306 ocorrências com vítimas. 

De acordo com o diretor do Detran, Silvain Fonseca, dos vários fatores de risco no trânsito, a velocidade é um dos principais vilões. "Está comprovado que de cada três mortes no trânsito, uma tem a ver com excesso de velocidade por parte do motorista ou a velocidade inadequada da própria via. As mudanças mantiveram a fluidez e diminuíram a probabilidade de morte", disse. 

As vias que tiveram a velocidade máxima reduzida de 60 km/h para 50 km/h estão localizadas em Águas Claras e Taguatinga. São elas: Araucárias, Castanheiras, Avenida Comercial Norte e Sul, Samdu Norte e Sul, LJ1 e LJ2. A próxima via que está programada para sofrer alterações é a Avenida Alagado, em Santa Maria. O planejamento é reduzir de 60 km/h para 50 km/h a velocidade máxima permitida no local. 

Redução de acidentes


O Detran afirmou, ainda, que o DF, no ano passado, foi a unidade do país que mais se reduziu o número de mortos e feridos. "Com isso, de janeiro a novembro de 2017 se deixou de gastar R$ 144 milhões em atendimentos nos hospitais. Isso ajuda a desafogar a saúde pública e melhora a qualidade de vida do brasiliense, diminuindo os prejuízos sociais e emocionais que são ocasionados nos envolvidos em acidentes", garantiu Silvain Fonseca.

Para garantir que o número diminua ainda mais, o Detran planeja novas reduções de velocidade. A próxima via que está programada para sofrer alterações é a Avenida Alagado, em Santa Maria. O planejamento é alterar de 60 km/h para 50 km/h a máxima permitida no local. Além disso, as fiscalizações contra embriaguez e uso de celular no trânsito são foco. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade