Publicidade

Correio Braziliense

Cinco concorrentes ao Senado contam com verba milionária na disputa

Dos 18 concorrentes a duas vagas na Casa, cinco contam com verba milionária na disputa. Leila do Vôlei, do PSB, mesmo partido do governador Rodrigo Rollemberg, lidera a lista com arrecadação superior ao limite legal de gastos


postado em 22/09/2018 07:00

Tapete azul cobiçado: oito anos de mandato parlamentar, salários de R$ 33 mil, verba de gabinete, foro privilegiado e benefícios, como plano de saúde vitalício(foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado - 14/11/17)
Tapete azul cobiçado: oito anos de mandato parlamentar, salários de R$ 33 mil, verba de gabinete, foro privilegiado e benefícios, como plano de saúde vitalício (foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado - 14/11/17)
Os 18 candidatos do Distrito Federal que concorrem ao Senado arrecadaram, no total, R$ 12,3 milhões para a campanha eleitoral. A campeã de recursos na disputa por uma cadeira no tapete azul é Leila do Vôlei, do PSB, que arrecadou R$ 3.044.701,88 — valor acima do limite legal de gastos, de R$ 3 milhões. Ela terá de devolver parte do montante ou doar o excedente ao partido. O segundo com mais dinheiro na corrida eleitoral é Izalci Lucas (PSDB), que conta com R$ 2.058.000. Em seguida, aparece o representante do Solidariedade, Fernando Marques, com arrecadação total de R$ 2.014.500.
 
(foto: Lucas Pacífico/CB/D.A Press)
(foto: Lucas Pacífico/CB/D.A Press)
 
 
Leila do Vôlei recebeu R$ 3 milhões do PSB, além de R$ 42,1 mil arrecadados em vaquinhas virtuais e uma doação de pessoa física de R$ 2,5 mil. A candidata declarou gastos que somam R$ 590,6 mil, dos quais R$ 370 mil foram destinados a serviços prestados por terceiros e R$ 87,4 mil a despesas com pessoal. A medalhista olímpica gastou, ainda, R$ 43 mil com adesivos e R$ 39,6 mil com material impresso.

Izalci Lucas recebeu R$ 1.050.000 do advogado Luís Felipe Belmonte, seu suplente na chapa, e R$ 1 milhão do fundo partidário, repassados pelo PSDB. O tucano gastou R$ 1,4 milhão. Desse montante, o deputado federal destinou R$ 1 milhão à produção dos programas de rádio e televisão, R$ 358 mil a material de publicidade impresso, R$ 45 mil foram gastos com serviços prestados por terceiros e R$ 38,1 mil com combustível.

Da receita total de R$ 2.014.500 de Fernando Marques, R$ 2 milhões são de recursos próprios. O empresário gastou R$ 1,4 milhão, dos quais R$ 919 mil foram destinados à produção da propaganda eleitoral. A segunda maior despesa de Marques foi combustível — ele gastou R$ 210 mil em postos, mesmo valor investido na produção de vinhetas.

Recursos

O senador e candidato à reeleição Cristovam Buarque (PPS) tem à disposição R$ 1.593.018,11 para investir na campanha. O PPS doou R$ 1,1 milhão, e o colega de chapa Fernando Marques destinou R$ 300 mil. O empresário paranaense Wilson Picler, filiado ao PSL, doou R$ 100 mil para Cristovam. O senador destinou ainda R$ 14,5 mil de recursos próprios e recebeu R$ 7,3 mil em vaquinhas virtuais. O maior montante de despesa do candidato do PPS foi um gasto de R$ 712 com produção de programa para o rádio e para a televisão.

A professora Amábile Pacios, do PR, é a quinta colocada no ranking de maiores arrecadações. A candidata recebeu R$ 1.410.800. A maioria dos recursos saíram do bolso do advogado Luís Felipe Belmonte, que doou R$ 1,1 milhão. O empresário Osório Adriano repassou R$ 200 mil, e o PR destinou R$ 20 mil à candidata. Amábile gastou R$ 802 mil, quase tudo na produção da propaganda para a tevê.


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade