Publicidade

Correio Braziliense

"Estou sendo vítima de perseguição política", diz Fraga sobre condenação

Deputado federal e candidato ao Palácio do Buriti pelo DEM é acusado de receber R$ 350 mil em propina para assinar contratos entre o Executivo local e uma cooperativa de micro-ônibus em 2008, quando era secretário de transportes


postado em 25/09/2018 16:30 / atualizado em 25/09/2018 20:04

O deputado pode recorrer da decisão e continuar na campanha ao GDF(foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
O deputado pode recorrer da decisão e continuar na campanha ao GDF (foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
Condenado a quatro anos e dois meses de prisão em regime semiaberto pelo crime de concussão, o concorrente ao posto de governador do Distrito Federal Alberto Fraga (DEM), se defendeu da decisão imposta na segunda-feira (24/9) pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios. Para o deputado federal, a sentença é "totalmente injusta" e "uma manobra política" para atrapalhar a sua campanha.

"A decisão causa estranheza pela rapidez. As alegações finais chegaram às 14h de sexta-feira (21), e na segunda-feira, a sentença já estava prolatada. Nós sabemos que a justiça não funciona com essa agilidade. Além disso, o Ministério Público já fez carga no processo, para evitar que eu estudasse o documento. O processo já se arrastava há 10 anos. Se tivessem alguma prova consistente para me condenar, já teriam feito há muito mais tempo", rebateu o deputado.

Fraga garantiu que vai recorrer da decisão, e não se mostrou intimidado com a sentença. "Não me causa inelegibilidade. Vou me defender e provar a minha inocência. Quando a decisão chegar nas mãos dos desembargadores, tenho certeza de que ela será reformulada. Classifico isso como perseguição política pelo meu crescimento nas pesquisas de intenção de voto. Mas não vai me abalar", garantiu o candidato.

Pacote de reformas para o Riacho Fundo 2

Seguindo a agenda de campanha do candidato ao GDF, nesta terça-feira (25/9), Fraga caminhou pelas quadras QN 7 e QN 8 do Riacho Fundo 2. Fez panfletagem e ouviu diversas exigências da população, a maioria sobre melhorias na segurança pública da cidade. "Caso eleito, vou reativar o posto policial próximo ao restaurante comunitário, e colocar 15 militares para trabalhar naquela região. Além disso, vou investir na utilização de drones para auxiliar na patrulha diária", garantiu.

Fraga se comprometeu também em construir um viaduto de ligação entre o Recanto das Emas e o Riacho Fundo 2. Por fim, disse que vai reformar os postos de saúde do local. "Hoje, existem dois. No entanto, apenas um funciona, e atende poucas quadras da cidade. Temos que trazer mais médicos para cá, em especial pediatras, ginecologistas e clínicos gerais, e também abastecer os postos com mais remédios", finalizou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade