Publicidade

Correio Braziliense

Suspeitos de matar e queimar o corpo de um rapaz no Guará são presos

A vítima tinha uma dívida de R$1 mil com o grupo. Quatro pessoas foram presas


postado em 26/09/2018 12:33 / atualizado em 26/09/2018 17:17

Selino Sutero da Silva foi preso após matar e queimar o corpo de um homem no Setor de Transportes Rodoviários e Cargas (STRC), Guará(foto: PCDF/Divulgação)
Selino Sutero da Silva foi preso após matar e queimar o corpo de um homem no Setor de Transportes Rodoviários e Cargas (STRC), Guará (foto: PCDF/Divulgação)

 

O responsável por matar e queimar o corpo de um rapaz próximo ao Trecho 4, do Setor de Transportes Rodoviários e Cargas (STRC), em 16 de setembro, foi identificado e preso pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF). Nesta quarta-feira (26/9), a 4ª Delegacia de Polícia (Guará) encerrou as investigações da Operação Tessera e trabalha para identificar a vítima. 

 

A prisão do autor do crime Selino Sutero da Silva, 35 anos, ocorreu em 20 de setembro, juntamente com a apreensão de três menores, sendo dois de 15 anos e um de 17 anos, que tiveram participação na execução da vítima. Segundo o delegado-chefe da 4ª DP, Johnson Kennedy, os três adolescentes confessaram o crime e disseram que a vítima, conhecida como “Zói”, tinha uma dívida de drogas de R$1 mil e o grupo armou uma emboscada para matá-la. 

 

“Ele foi levado para a casa do Sutero e lá foi espancado até desmaiar. Quando acordou, teve um fio enrolado no pescoço e, enquanto dois menores puxavam, um de cada lado, o outro empurrava com o pé na costas dele. Foi aí que ele desmaiou pela segunda vez e morreu. Em seguida, o grupo amarrou as mãos da vítima com o mesmo fio, enrolou em um tapete e colocou no porta malas do carro”, relatou Kennedy. Os criminosos dirigiram até o Setor de Transportes Rodoviários e Cargas (STRC) e queimaram o corpo em um matagal.

 

A vítima ainda não foi identificada mas, segundo o delegado, os autores do crime afirmaram que se tratava de homem negro, entre 20 e 30 anos, morador de rua e que estava envolvido com tráfico de drogas. Segundo o delegado, apenas os três adolescentes confessaram o crime. “O Sutero negou o envolvimento, mas os três garotos apontaram que ele estava junto e que teve participação. Os dois de 15 anos disseram, ainda, que no dia seguinte voltaram à cena do crime para ver se o corpo ainda estava lá”, acrescentou. 

 

Após investigações, depoimentos de testemunhas e provas que identificaram os autores do crime, foi deferida a prisão temporária de Selino Sutero, que cumpria pena em regime de prisão domiciliar por assalto. Ele tem outras passagens por receptação, furto e falsificação de documentos. Os adolescentes foram encaminhados para a Delegacia da Criança e do Adolescente (DCA). Eles responderão pelos crimes de homicídio triplamente qualificado, por ocultação de cadáver. Sutero também responderá por corrupção de menores. 


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade