Publicidade

Correio Braziliense

Políticos e autoridades de Brasília lamentam morte de Joaquim Roriz

Internado desde 24 de agosto na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Brasília, ele não resistiu a complicações no quadro clínico


postado em 27/09/2018 11:11 / atualizado em 27/09/2018 11:36

Governador do DF por três mandatos, Roriz ficou 14 anos à frente do Palácio do Buriti e foi símbolo de admiração e polêmicas ao longo da trajetória política(foto: Brito/CB/D.A Press)
Governador do DF por três mandatos, Roriz ficou 14 anos à frente do Palácio do Buriti e foi símbolo de admiração e polêmicas ao longo da trajetória política (foto: Brito/CB/D.A Press)
 
Com legado histórico no Distrito Federal, a morte do ex-governador Joaquim Roriz aos 82 anos deixou pesar em Brasília. Autoridades, representantes de entidades e amigos repercutiram o falecimento do político nesta quinta-feira (27/9). Internado desde 24 de agosto na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Brasília, ele não resistiu a complicações no quadro clínico após sofrer uma infecção pulmonar. Roriz passou os últimos momentos de vida ao lado das filhas e da esposa, Weslian Roriz.   

Com a morte de Roriz, o governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, decretou luto de três dias na capital. “A morte do ex-governador Roriz abala a todos brasilienses que o acolheram e que receberam dele em troca muito trabalho e realizações de toda a ordem”, ressaltou. Além disso, Rollemberg disponibilizou o Palácio do Buriti para os familiares de Roriz, caso optem por realizar o velório no local.  

Os candidatos que disputam a chefia do Executivo local também se pronunciaram e cancelaram as agendas previstas para esta quinta. 

Complicações 

Roriz enfrentava complicações na saúde desde meados de 2013. Em 26 de agosto do ano passado, o político goiano foi submetido à amputação da perna direita, abaixo do joelho, e dedos do pé esquerdo. Mesmo com o procedimento agressivo, ele não percebeu que havia perdido parte do corpo, segundo a esposa Weslian. 

Em 1° de fevereiro deste ano, o Correio publicou que Roriz havia sido diagnosticado com “síndrome demencial, de etiologia mista, Alzheimer e vascular (CID10 F00.2 e F01.09), em estágio grave, com intensa repercussão sobre sua atonomia”. O exame constatou que o ex-governador não tinha compreensão da denúncia de corrupção que pesava contra ele.  

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade