Publicidade

Correio Braziliense

Caminhada no Parque da Cidade conscientiza sobre artrite reumatoide

Doença autoimune ataca articulações. A maioria dos pacientes é mulher nas faixas dos 30 e 40 anos.


postado em 03/10/2018 14:56 / atualizado em 03/10/2018 16:11

 

Parque da Cidade receberá caminhada como parte de ações de conscientização sobre a artrite reumatóide(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
Parque da Cidade receberá caminhada como parte de ações de conscientização sobre a artrite reumatóide (foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)

 

O sol começava a raiar e Maria Fernanda França já fazia sua caminhada. A pedagoga deu início ao hábito ainda jovem e anda suas duas horas diárias no começo das manhãs. Um dia, no entanto, uma dor se interpôs no caminho de Maria Fernanda. “Eu comecei a sentir muita dor, Eu estava andando e sentia essa dor. Eu vi que tinha alguma coisa”, ela relembra.

 

Depois de um exame de sangue, ela foi diagnosticada com artrite reumatoide. Trata-se de uma doença crônica autoimune na qual os mecanismos de defesa do corpo atacam suas articulações. Com origem genética, a artrite reumatoide costuma acometer mulheres na faixa dos 30 e 40 anos. Maria Fernanda, então com 53, primeiro teve medo. Depois, se voltou para o cuidado e a consciência. “Chorei muito. Achei que fosse morrer. Aí entendi a doença e vi que tinha controle”, conta.

 

De acordo com a reumatologista Luciana Muniz, a artrite reumatóide ataca a sinóvia que reveste as articulações, inflamando esta proteção. “A doença afeta pequenas articulações da mãos e pés com maior frequência, mas também pode atingir joelhos e ombros”, explica. O resultado, além das dores, são rigidez e fadiga matinal. Em casos raros, o problema pode incidir em órgãos como pulmão, rins e coração. Se não houver tratamento, pode haver erosão dos ossos e deformidade das juntas. Alguns fatores podem piorar o quadro da artrite reumatóide. Entre eles, o cigarro, que traz para o corpo substâncias estranhas ao organismo que agravam as inflamações da doença, causando dores mais intensas.

 

A obesidade é outro fator problemático na artrite reumatóide. O uso contínuo de corticóides e a indisposição para exercitar-se por conta das dores e da limitação das articulações pode levar ao sedentarismo, o que piora os índices de glicose e colesterol, que por sua vez aumentam a pressão arterial. Tudo isso pesa sobre o risco cardiovascular, principal causa de mortalidade dos pacientes de artrite reumatóide. Em casos avançados, ocorre até inflamção dos vasos sanguíneos. Apesar de não ter cura, a doença tem tratamento eficaz. “Hoje em dia, temos medicamentos que controlam a doença e previnem deformidades”, aponta Luciana Muniz.

 

A atividade física, mediante consulta com reumatologista, também é fator positivo no quadro dos pacientes com a doença. Exercícios de baixo impacto fortalecem músculos e diminuem a limitação das articulações. Pilates, musculação e caminhadas estão entre as práticas aconselhadas aos pacientes de artrite reumatóide. “Apesar da flexibilidade não voltar ao que era, ela melhora”, conta Maria Fernanda, que vive com a doença há sete anos.

 

Caminhada

No dia 12 de outubro é comemorado o Dia Mundial da Conscientização da Artrite Reumatoide. Este ano, a Sociedade de Reumatologia de Brasília (SRB), em parceria com Sociedade Brasileira de Reumatologia e outras instituições, promovem a Caminhada de Conscientização da Artrite Reumatoide. O intuito é sensibilizar a população para as condições dos portadores da doença, além de promover a noção de que um diagnóstico prematuro é fundamental na melhora da qualidade de vida do paciente.

 

A concentração está marcada para às 9h, no quiosque do Atleta, no Parque da Cidade. Quem for poderá fazer aulas de dança, luta, alongamento e relaxamento, além de contar com orientações sobre proteção articular e terapia ocupacional para a artrite reumatoide.

 

Serviço 

Caminhada de Conscientização da Artrite Reumatoide

12 de outubro, às 9h, no Parque da Cidade - quiosque do Atleta. Informações: contato@reumatodf.com.br www.reumatodf.com.br Contato: (61) 9 9826 8140

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade