Publicidade

Correio Braziliense

A três dias do primeiro turno, Fátima Sousa visita a UnB, onde já deu aulas

A candidata do Psol falou com estudantes e funcionários no Câmpus Darcy Ribeiro


postado em 04/10/2018 11:48 / atualizado em 04/10/2018 12:50

Candidata pediu apoio a trabalhadores e estudantes da UnB(foto: Thiago Melo/Esp.CB/D.A Press)
Candidata pediu apoio a trabalhadores e estudantes da UnB (foto: Thiago Melo/Esp.CB/D.A Press)
 

Fátima Sousa, candidata ao Palácio do Buriti pelo PSol, visitou nesta quinta-feira (4/10) o câmpus Darcy Ribeiro da Universidade de Brasília (UnB). Na companhia de outros candidatos do partido, ela caminhou pelos corredores do Instituto Central de Ciências (ICC), visitou a Associação dos Docentes da UnB (ADUnB), cumprimentou estudantes no Restaurante Universitário e conversou com funcionários e alunos da Faculdade de Saúde (FS), onde já atuou como professora.

 

A candidata afirmou que a visita à UnB é uma forma de agradecimento ao apoio que recebeu dos sindicatos dos trabalhadores e dos professores e destacou o Dia Nacional dos Agentes Comunitários. "Nós estamos visitando os espaços que assumiram nossa campanha, que nos enviaram cartas de apoio, mas também agradecer aos agentes comunitários de saúde pela colaboração desses profissionais, que é tão importante”, disse.

 

Nos corredores da Universidade, Fátima ouviu de apoiadores que ela teve um bom desempenho no último debate promovido pelo Corrreio Braziliense no fim da tarde de ontem (3/10).  

 

Em relação às propostas para a educação, Fátima disse que pretende desenvolver um plano integrado, com ações que envolvem desde creches até o ensino superior. Defendeu também a criação da universidade do Distrito Federal para suprir a demanda por ensino superior. "Vamos tirar do papel o plano da Universidade do Distrito Federal, que há 25 anos não é realizado”, declarou. 

 

 
Críticas a Ibaneis 

 

Fátima ainda criticou o candidato Ibaneis Rocha (MDB) e acusou o candidato de compra de votos. Disse ainda que ele explora cidades menores e pessoas mais pobres para conseguir apoio no DF. "Ele (Ibaneis) não pode chegar aqui do nada e comprar pessoas, partidos. Isso demonstra uma fragilidade da democracia. Isso é um desserviço à boa prática política”, enfatizou.

 

A candidata do PSol agradeceu ainda aos estudantes que a apoiam e declarou que diferentemente dos outros candidatos, não precisou pagar por cabos eleitorais. "Eu sou professora por ofício e educadora por opção. Meus alunos se apresentaram voluntariamente para apoiar nossas propostas. Só tenho a agradecer."

 

*Estagiário sob supervisão de Humberto Rezende 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade