Publicidade

Correio Braziliense

No último dia de campanha, Eliana Pedrosa caminha por Brazlândia

Caminhada durou cerca de 1h30; apoiadores a seguiram pela feira da cidade


postado em 06/10/2018 13:56 / atualizado em 06/10/2018 13:56

A candidata se diz confiante em relação a sua ida para o segundo turno(foto: Cézar Feitoza/Esp. CB)
A candidata se diz confiante em relação a sua ida para o segundo turno (foto: Cézar Feitoza/Esp. CB)


O último dia campanha da candidata Eliana Pedrosa (Pros), concorrente ao Buriti, começou às 10h50, na Feira de Brazlândia da vila São José. No corpo a corpo, os cerca de 40 apoiadores a seguiram por mais de 1h30 de caminhada. Na avaliação da candidata, o grande apoio da população nas ruas aponta a sua ida ao segundo turno. 

A lei eleitoral proíbe que os postulantes a cargos eletivos promovam carreatas e comícios entre às 22h desse sábado e o fim do primeiro turno, neste domingo (7/10). A estratégia de Eliana foi investir no último dia de caminhada para visitar as regiões de Brazlândia, Estrutural e Ceilândia. 

Na feira de Ceilândia, Eliana Pedrosa contou que está confiante em relação a sua ida ao segundo turno e que sua recaída nas pesquisas de intenções de voto tem duas razões: "foi noticiado um processo no qual eu responderia e que eu teria os meus bens bloqueados, o que é uma mentira. E eu acho que as pesquisas não revelam a realidade, porque candidatos levam cabos eleitorais descaracterizados para participar das pesquisas". 

À população, Eliana apresentou a sua principal proposta à cidade, que é o fim da regionalização. "As direções hoje da área da saúde e da polícia foram para Ceilândia. O pessoal se ressente disso, porque dificulta o acesso e a auto estima da cidade ficou comprometida. Nós precisamos acabar com isso e voltar o atendimento para Brazlândia". 

Em seus quatro comitês na região, os responsáveis pela campanha de Eliana trabalharam durante esses último 45 dias entregando santinhos e apresentando as propostas. Segundo alguns dos voluntários, a ideia é continuar entregando a papelada no domingo, mas em uma distância de, ao menos, 100 metros de distância dos locais de voto. 

A Lei Eleitoral proíbe qualquer ato de campanha em favor de algum candidato no dia do pleito, sob pena de detenção de seis meses a um ano e multa de até R$ 15 mil. O cidadão pode denunciar os crimes eleitorais pelo aplicativo Pardal, do TSE, ou no site do TRE-DF.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade