Publicidade

Correio Braziliense

Eleitores se antecipam em quase duas horas para votar no Entorno do DF

Maria Aparecida Rodrigues, 53 anos, chegou a Escola Estadual Complexo 2, de Planaltina de Goias, as 6h15 pensando que a urna seria aberta as 7h. Ela esperou em frente ao colégio até a abertura da urna


postado em 07/10/2018 07:24 / atualizado em 07/10/2018 08:54

Maria Aparecida Rodrigues foi a primeira eleitora a chegar em uma escola de Planaltina de Goiás(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Maria Aparecida Rodrigues foi a primeira eleitora a chegar em uma escola de Planaltina de Goiás (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
 
Desde as primeiras horas da manhã, eleitores do Distrito Federal e do Entorno se preparam para o voto. A primeira eleitora a chegar na Escola Estadual Complexo 2, de Planaltina de Goiás, foi Maria Aparecida Rodrigues, 53 anos. A dona de casa esteve no local as 6h15 pensando que a urna seria aberta às 7h. "Vou esperar aqui mesmo, tenho uma viagem daqui a pouco para depois de Trindade (GO). Vou me arrumar logo pra sair mais cedo", conta.  "Eu vou votar só pra presidente e um deputado. Não sei nem que são os outros que estão aí, porque a divulgação esse ano foi muito fraca", reclama Maria Aparecida.
 
Ver galeria . 21 Fotos Colégio eleitoral em Valparaíso (GO)Wallace Martins/Esp. CB/D.A Press
Colégio eleitoral em Valparaíso (GO) (foto: Wallace Martins/Esp. CB/D.A Press )
 

O policial militar Edmilton Campos, 50, é o responsável pelo patrulhamento na Escola Estadual Complexo 2, de Planaltina de Goiás. O sargento chegou ao local de voto no sábado (6/10), às 17h, e conta que os arredores da escola estavam limpos. "O pessoal passou e jogou os santinhos aqui no chão de noite", rememora. 

No município, o policiamento ficou dividido entre um ou dois militares em cada local de votação e alguns PMs circulando pela cidade, na tentativa de flagrar crimes eleitorais. "A orientação que foi passada pra gente é só flagrante: se pegar os caras, tem que levar pro distrito policial. Nesse caso dos santinhos  eu não posso fazer nada", conta Edmilton.
O policial Edmilton Campos patrulha um dos colégios eleitorais desde as 17h de sábado(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
O policial Edmilton Campos patrulha um dos colégios eleitorais desde as 17h de sábado (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade