Publicidade

Correio Braziliense

Derrotados na corrida pelo Buriti lamentam resultado das eleições

Ibaneis Rocha (MDB) e Rodrigo Rollemberg (PSB) disputam segundo turno pela liderança do Executivo do DF


postado em 07/10/2018 22:09 / atualizado em 07/10/2018 23:11

Mais de 1,6 milhão de brasilienses foram às urnas neste domingo (7/10)(foto: Correio Braziliense)
Mais de 1,6 milhão de brasilienses foram às urnas neste domingo (7/10) (foto: Correio Braziliense)

Com Ibaneis Rocha (MDB) e Rodrigo Rollemberg (PSB) disputando o segundo turno das eleições de 2018, candidatos que concorriam ao comando do Palácio do Buriti lamentam a derrota. No total, nove concorrentes ao cargo de governador do Distrito Federal saíram da disputa neste domingo (7/10).  

Em nota, Rogério Rosso (PSD) afirma respeitar a vontade da população. “Fizemos uma campanha com propostas concretas para resolver a crise que se encontra no Distrito Federal em suas principais áreas, como saúde, educação e segurança.” Rosso ressalta que deseja que os candidatos concluam o segundo turno falando sobre as próprias propostas, porque, de acordo com ele, o “DF já sofreu demais com tantos ataques entre candidatos”.  

Fátima Sousa (PSOL) agradeceu a população do Distrito Federal e destacou que definiu uma linha de apoio para o segundo turno. “Não vamos desistir da cidade que nos acolheu com muito carinho. Nos alivia saber que o segundo turno não ocorrerá apenas entre representantes da direita endinheirada”, frisou.  

Alberto Fraga (DEM) se irritou com o resultado do primeiro turno e garantiu que não disputará mais cargos eletivos ao governo do DF. Ele chegou a aparecer em segundo lugar nas pesquisas de intenção de voto, mas acabou em sexto lugar, com 88.840 eleitores. Fraga optou pela isenção no segundo turno. “Mantenho a minha posição: não apoio bandido. Houve derrame de dinheiro e o poder econômico falando mais alto. Eu espero que isso mude uma hora”, frisou.  

Para Eliana Pedrosa (Pros), a derrota ocorreu por causa de fake news “espalhadas contra ela” e também por causa da influência do poder econômico de outros candidatos. Ela afirmou que ainda não considera apoiar concorrentes ao segundo turno. “Eu só espero que quem quer que ganhe dê seu melhor por Brasília, que é uma cidade que eu amo, onde tive oportunidade de estudar, onde minha família cresceu."
 
Renan Rosa (PCO) disse acreditar que o pleito deste ano foi fraudado.  "As eleições foram montadas para a direita ganhar de cabo a rabo. Agora é organizar a mobilização dos trabalhadores contra mais esse golpe", destacou. 

Alexandre Guerra (Novo), Júlio Miragaya (PT) e Antônio Guillen (PSTU) informaram que emitirão posicionamento oficial a partir desta segunda-feira (8/10). Paulo Chagas (PRP) também foi procurado e prometeu emitir um posicionamento ainda neste domingo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade