Publicidade

Correio Braziliense

Conheça seis dos novos nomes que vão compor a Câmara Legislativa do DF

Dos 24 deputados distritais eleitos no domingo, apenas oito estão na atual legislatura - o índice de novatos é de 66%. O Correio apresenta os perfis dos futuros parlamentares do Legislativo local, que tomarão posse em 1º de janeiro


postado em 09/10/2018 06:00 / atualizado em 09/10/2018 21:11

 
O Distrito Federal seguiu a tendência nacional e votou pela renovação do cenário político. Novos parlamentares ocuparão dois terços da Câmara Legislativa a partir de 1º de janeiro do próximo ano. Apenas oito distritais seguirão na Casa, e com 18 partidos garantindo mandato, a expectativa é de pluralidade — o índice de alteração no quadro de parlamentares é de 66,6%. Entre os estreantes há pastores, militares, professores, servidores públicos, ativistas LGBT, empresários e defensores dos animais. 

Para apresentar os 24 novos parlamentares que, pelos próximos quatro anos, terão funções como planejar e elaborar orçamentos, fiscalização a aplicação de recursos e formular e aprovar leis distritais, o Correio Braziliense apresentará, até sexta-feira, o perfil de seis parlamentares que garantiram uma vaga no Legislativo local até 2022.

(foto: Reprodução/Facebook)
(foto: Reprodução/Facebook)
Daniel Donizet (PRP)

 
Total de votos: 9.128
Onde recebeu mais votos: Ceilândia Norte e Brazlândia, com 769 ou 8,4% do total
 
Professor de TI em cursos técnicos e on-line, Daniel Donizet pretende dar atenção para educação, desburocratização pela tecnologia e proteção aos animais. Um projeto que pretende criar é o Escola de Profissões, que forma técnicos nas áreas de tecnologia e moda e que, por meio de parcerias, encaminha os jovens para o mercado de trabalho. Ainda na educação, pretende incluir no currículo do DF disciplinas, como educação financeira, direito constitucional, empreendedorismo e Educação Moral e Cívica (EMC).
O educador também pretende implementar um aplicativo que simplifique os serviços públicos nas áreas de segurança e saúde. Quer ampliar o uso de câmeras de segurança, em especial nas regiões com maior criminalidade. Para os animais, deseja construir abrigos e expandir o funcionamento do hospital veterinário.

Para o estreante na política, surpreendeu a renovação da Câmara Legislativa. “Demonstra que a população quer mudar. Achei bem expressivo o número de novos deputados”, considera. Na disputa pelo segundo turno pelo Buriti, Donizet espera definições de correligionários. “Vou conversar com o meu partido e com o general Chagas (Paulo Chagas, quarto colocada na corrida ao Buriti”, afirma.

(foto: Minervino Junior/CB/DA Press)
(foto: Minervino Junior/CB/DA Press)
 Fábio Felix (PSol)

 
Total de votos: 10.955
Onde recebeu mais votos: Asa Norte, Vila Planalto e Águas Claras, com 1.836 votos ou 16,7% do total
 
Primeiro gay assumido na Câmara Legislativa, o assistente social terá postura de oposição aos parlamentares conservadores. Fábio recebeu 10.955 votos, fazendo com que ele seja o primeiro representante do PSol a conquistar um cargo eletivo no Distrito Federal. “Será um mandato em defesa dos direitos humanos e do combate às desigualdades sociais”, adianta o ativista.

Com 32 anos, Fábio chegou à Câmara Legislativa após a terceira tentativa. Agora eleito, o distrital garante que representará uma nova via na Casa. “É possível perceber que existe um crescimento de setores mais conservadores e fundamentalistas. O nosso papel vai ser enfrentar essas ideias, ir contra o fundamentalismo religioso e o conservadorismo”, pontua.

Servidor da Secretaria da Criança do DF lotado na Unidade de Internação de Adolescentes, Fábio terá como um dos principais objetivos tornar as escolas locais mais tolerantes. “Queremos discutir a necessidade de a escola ser um espaço de tolerância, respeito e combate ao preconceito. Uma escola de todas as cores, que não aceita o machismo e a LGBTfobia”, defende.
 

(foto: Reprodução/ Facebook)
(foto: Reprodução/ Facebook)
Iolando (PSC)

 
Total de votos: 13 mil
Onde recebeu mais votos: Ceilândia Norte e Brazlândia, com 6.300 ou 48,4% do total

Militar reformado da Aeronáutica, Iolando entrou para o Legislativo local na quarta tentativa. Vítima de um acidente de moto que paralisou um dos braços, é defensor dos direitos dos deficientes e líder comunitário em Brazlândia. “Somos uma cidade de 60 mil pessoas, muitas delas, carentes. Elas precisavam de alguém na Câmara Legislativa”, diz.

O político do PSC pretende propor a instalação de centros de referência para a pessoa com deficiência e atenção para além dos cuidados médicos e fisioterapêuticos, com a cobertura de psicólogos, assistentes sociais e assistência legal para os PNE.

Outra parcela da população que quer contemplar é a dos maiores de 50 anos. Para ele, o mercado de trabalho não oferece oportunidades para essa faixa etária, e as empresas deveriam empregar pelo menos 1% delas em suas equipes. Ele também percebe a necessidade de investimento para a juventude na forma de bolsas. “Temos 1 milhão de jovens no DF. Precisamos subsidiar bolsas universitárias para eles”, considera o militar. “As pessoas estavam saturadas de gente que não estava comprometida com elas e envolvidas em escândalos”, afirma.
 

(foto: Reprodução/Facebook)
(foto: Reprodução/Facebook)
 João Cardoso

Professor-auditor (Avante)

Total de votos: 12.654
Onde recebeu mais votos: Sobradinho 1 e 2, com 8.562 ou 67,6% do total

Auditor do Instituto Brasília Ambiental (Ibram) e professor de geografia, João Cardoso conquistou uma vaga na Câmara Legislativa como representante da região de Sobradinho 1 e 2, Fercal, condomínios e Planaltina. Uma das maiores preocupações dele para a área é a infraestrutura, a começar pela conclusão das obras viárias que passam por Torto, Taquari e Colorado, além da instalação de aparelhos públicos em regiões precárias, como Buritizinho e Fercal. “Queremos pegar as áreas públicas sem utilização e criar postos de saúde e escolas”, afirma.

Outro ponto de atenção do recém-eleito é a proteção dos parques, que necessitam de cercas para evitar invasores e prevenir queimadas. Católico, participa do movimento Caminho Neocatecumenal e defende pautas cristãs, a defesa da família e o programa Escola sem partido.

Para João Cardoso, a renovação da Câmara é um bom sinal. “Mostra que as pessoas não querem mais aqueles políticos que fizeram coisas erradas”, avalia. Representante do Avante, partido que integra a chapa do candidato ao Buriti Ibaneis Rocha, ele considera natural o apoio ao candidato do MDB.
 

(foto: Reprodução/ Facebook)
(foto: Reprodução/ Facebook)
 Júlia Lucy (Novo) 

 
Total de votos: 7.655
Onde recebeu mais votos: Taguatinga e Águas Claras, com 1.057 ou 13,8% do total
 
A servidora pública é a primeira deputada distrital eleita pelo Partido Novo. Júlia Lucy disputou uma vaga na Câmara Legislativa pela primeira vez e se colocará como uma fiscalizadora do futuro governador. “As últimas candidaturas foram muito inexpressivas em questão de fiscalização. Houve anos em que as contas do governo nem foram julgadas. Precisamos entender para onde está indo o dinheiro público aqui do DF”, diz.

A parlamentar do Novo, partido estreante na política brasileira, comprometeu-se com pautas, como saúde e proteção aos animais, nas quais quer tratar como questão de saúde pública em parcerias com organizações não governamentais. Júlia apoia também causas femininas, como o empreendedorismo no combate ao desemprego.

A distrital declarou o compromisso de, a partir de 1º de janeiro de 2019, só recorrer a serviços públicos. “Como andar de ônibus e usar hospital público, por exemplo. O parlamentar tem de andar lado a lado com a população para entender o que ela passa, para fiscalizar e denunciar”. Ela também abrirá mão da verba indenizatória.
 

(foto: Reprodução/ Facebook)
(foto: Reprodução/ Facebook)
Reginaldo Sardinha (Avante)

 
Total de votos: 6.738
Onde recebeu mais votos: Cruzeiro e Sudoeste, com 3.135 ou 46,5%
 
O servidor público Reginaldo Sardinha (Avante) chega à Câmara Legislativa com o objetivo de melhorar a segurança pública do Distrito Federal. O futuro parlamentar acumula a experiência de ter passado pela direção do Centro de Progressão Penitenciária (CPP) e pela Gerência de Controle e Administração Penitenciária.

O distrital promete também lutar pela paridade salarial da Polícia Civil em relação à Polícia Federal. “Historicamente, há essa paridade, que foi deixada de lado no governo atual. Vou, nesse primeiro ano, lutar por essa questão salarial”, garante. Sardinha também quer lutar pela recomposição do quadro de servidores da segurança pública. “Não tem como fazer mágica no combate à criminalidade, se não tivermos mão de obra”.

Ele acredita que a pluralidade da Câmara Legislativa será positiva para a população. Filiado ao Avante, de Paco Britto, candidato a vice-governador pela chapa de Ibaneis Rocha (MDB), o parlamentar acredita que, com o emedebista no poder, o Legislativo e o Executivo local conseguirão trabalhar para tirar o DF da crise. “Os parlamentares eleitos agora estão mais preocupados com Brasília do que com eles mesmos, e isso é muito bom”, avalia.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade