Publicidade

Correio Braziliense

Adolescentes são apreendidos com corpo carbonizado em Samambaia

Os adolescentes, de 14 e de 17 anos, golpearam o desafeto com um facão, enrolaram o corpo num colchão e depois atearam fogo


postado em 09/10/2018 10:20 / atualizado em 09/10/2018 17:13

Dupla de adolescentes utilizou carroça para transportar o corpo da vítima até o matagal(foto: PMDF/Divulgação)
Dupla de adolescentes utilizou carroça para transportar o corpo da vítima até o matagal (foto: PMDF/Divulgação)
 
Dois adolescentes, um de 14 anos e o outro de 17, foram apreendidos na madrugada desta terça-feira (9/10) pela Polícia Militar, por volta de 1h, após matarem um homem a facadas. Eles enrolaram o corpo da vítima, identificada apenas como "Maranhão", num colchão e depois atearam fogo. O crime ocorreu na DF-180, depois da entrada da Caesb, em Samambaia. A dupla confessou o ato infracional, um acerto de contas por dívida de drogas, segundo eles.

Policiais militares encontraram o corpo carbonizado após um patrulhamento de rotina. A equipe passava pelo local quando avistou fumaça na mata da região. Ao entrarem, os PMs encontraram um colchão já queimado envolto em um corpo carbonizado.

Os militares acionaram a Polícia Civil e preservaram o local do crime. Testemunhas disseram aos policiais que os adolescentes transportaram o corpo em uma carroça até aquele local. A equipe vasculhou as áreas próximas da região e encontrou a carroça suja de sangue, além de um facão supostamente utilizado no crime. 
 
Em seguida, a equipe da PM localizou e apreendeu a dupla de adolescentes. Os militares encaminharam os dois para a Delegacia da Criança e do Adolescente (DCA). Segundo a Divisão de Comunicação da Polícia Civil, os dois adolescentes devem responder por crime análogo a homicídio qualificado e ocultação de cadáver.

Ainda de acordo com a Divicom, a dupla permanece apreendida, o facão utilizado foi encaminhado para perícia e a carroça foi levada para a DCA 2 (Taguatinga). Peritos pretendem identificar o corpo carbonizado a partir do material genético colhido do sangue da vítima. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade