Publicidade

Correio Braziliense

Peça encenada para alunos da rede pública retrata o universo feminino

ELA, que será encenada a alunos da rede pública de ensino, apresenta a questão da mulher em diversos aspectos, sem perder o foco na formação de caráter


postado em 10/10/2018 06:00 / atualizado em 10/10/2018 12:25

Elenco da peça: temas relacionados ao cotidiano das mulheres, como assédio sexual, bullying, anorexia, machismo, relacionamento abusivo(foto: Anderson dos Reis/Divulgação)
Elenco da peça: temas relacionados ao cotidiano das mulheres, como assédio sexual, bullying, anorexia, machismo, relacionamento abusivo (foto: Anderson dos Reis/Divulgação)

O universo feminino será retratado de uma forma especial para alunos do Ensino Médio e da Educação de Jovens e Adultos (EJA) de escolas públicas de Ceilândia e Samambaia. O espetáculo ELA vai passar por 25 colégios das duas regiões, levando temas relacionados ao cotidiano das mulheres, como assédio sexual, bullying, anorexia, machismo, relacionamento abusivo, entre outros entraves.


Com uma narrativa humanista que convida à reflexão social, a peça aborda a vida de quatro irmãs, que contam suas histórias entrelaçadas com uma passagem de tempo de 40 anos perante o público. O projeto é realizado pela Companhia de Teatro Hierofante e conta com recursos do Fundo de Apoio à Cultura (FAC), da Secretaria de Cultura do Distrito Federal.

Teatro acessível


Clara Camarano, uma das atrizes que participa do espetáculo, diz que é importante destacar que a peça também tem o intuito de levar teatro educativo e acessível para as pessoas, por isso as apresentações são gratuitas.

A personagem de Clara representa uma mulher livre e independente, que gosta de sair e aproveitar a vida. Segundo a atriz, ela representa uma mulher emancipada, que vai para onde quer e com quem quiser. “Isso é supernatural. Porque a gente tem que ir para os lugares sem ter que sofrer assédio. A peça destaca muito esse conceito, de que o lugar da mulher não é na cozinha. O lugar da mulher é onde ela quiser, com quem ela quiser, inclusive minha personagem fala isso durante a peça”, diz.

Além de Clara, o elenco é formado por Haila Beatriz, Fernanda Pacini e Natália Leite. Elas se conheceram na Cia. de Teatro Hierofante. “É muito legal trabalhar com as meninas, porque a gente troca muitas experiências e até preconceitos que a gente mesmo passou”, relata Clara.

Argumentos

De acordo com a dramaturga e produtora do espetáculo Vanessa Castro, o maior objetivo do projeto é abrir um diálogo com adolescentes e jovens sobre assuntos do mundo feminino. “A gente quer dialogar com os alunos, construir e trocar argumentos. Este é um assunto muito urgente. Ainda mais agora que coincidiu com a questão do câncer de mama (Outubro Rosa), também temos pautas como feminicídio, a aceitação do corpo. Temas importantes para falar com alunos a partir de 15 anos”, conta Vanessa.

Esta é a primeira vez que a produtora trabalha com a temática feminina e afirma que a experiência está sendo muito bacana. No entanto, revela que não gosta de usar termos como feminino e masculino. Ela diz que é a favor de um diálogo humanista, em que as pessoas consigam criar um elo de diálogo, de cooperação e, sobretudo, de entendimento entre todos os sexos.

Vanessa destaca também que está escrevendo uma nova peça e que escolheu trabalhar, dentro da atividade de produção, assuntos que retratem temas importantes socialmente. “Não vou defender minorias simplesmente, mas falarei sobre assuntos que precisam ser pautados, sempre com um olhar de respeito e humanista”, afirma.

Debate


As apresentações do espetáculo ELA começam dia 17 e vão até a primeira semana de novembro. Até o momento, estão no cronograma de apresentações quatro escolas: Centro Educacional 6, 7, 11 e o Centro Educacional 3. Todos esses em Ceilândia.

Diretores e professores de Ensino Médio e EJA de Ceilândia e Samambaia que desejam levar o espetáculo para sua escola devem entrar em contato com Anderson Floriano, pelo telefone 99555-5288. Ao final da apresentação, que dura cerca de 1h, o grupo vai abrir espaço para os alunos debaterem, fazerem perguntas e falarem sobre os assuntos abordados. De acordo com a equipe, por estarem desenvolvendo um papel social, é importante ouvir os alunos também.

Como o projeto é voltado apenas para escolas, a produção resolveu abrir uma apresentação especial para familiares, amigos e público em geral. Vai acontecer no próximo domingo, no Teatro da Praça, em Taguatinga, às 19h. A entrada é gratuita.

Espetáculo ELA — Apresentação aberta ao público
Onde: Teatro da Praça - Setor Central, 
Área Especial 5, Taguatinga
Horário: 19h
Entrada Gratuita

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade