Publicidade

Correio Braziliense

Ibama reúne crianças e solta mais de 100 aves resgatadas de cativeiros

O instituto aproveitou o Dia das Crianças para devolver à natureza mais de 100 aves resgatadas de cativeiros. Ação contou com o apoio dos pequenos que curtiam a data no Brasília Country Club


postado em 13/10/2018 07:00 / atualizado em 12/10/2018 22:06

Os pássaros libertados ontem com a ajuda das crianças são animais silvestres que não podem ser criados em cativeiros(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Os pássaros libertados ontem com a ajuda das crianças são animais silvestres que não podem ser criados em cativeiros (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

O Dia das Crianças também foi dia de conscientização. Em um ato para alertar sobre a importância de preservar a fauna brasileira, 112 passarinhos foram devolvidos à natureza. Funcionários do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) contaram com a ajuda dos pequenos, no Brasília Country Clube, para soltar as aves.

A cada pássaro que saía da gaiola, um sorriso estampava o rosto das crianças e dos adultos que estavam por perto. Algumas aves ainda tinham dificuldade de encontrar o caminho para a liberdade, mas, com a ajuda do profissional do Ibama, logo deixavam as grades e voavam rumo às árvores. Entres os animais, estavam pássaro-preto, sabiá-laranjeira, canário-da-terra, periquito-de-encontros-amarelo, coleiro e papa-capim.

Segundo o coordenador do Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), Márcio Henrique Ferreira da Silva, essas espécies são pássaros silvestres que não podem ser criados em cativeiros. O coordenador conta ainda que as aves soltas foram vítimas de maus-tratos e resgatadas em apreensões feitas em diferentes partes do Distrito Federal. “Queremos mostrar para as crianças o quanto é cruel capturar um animal da natureza para comercializar ou criar em gaiolas que, muitas vezes, nem comportam o animal dentro”, ressalta.
 
 

Márcio Henrique explica que os bichos resgatados passam por uma triagem, são avaliados, vermifugados, medicados e tratados até estarem aptos a voltar para o seu habitat. Ele esclarece que a área de soltura é escolhida de acordo com a região do próprio pássaro — todos os animais que foram soltos ontem, por exemplo, são da região Centro-Oeste. Além disso, o Ibama conta com áreas específicas no DF para realizar essas ações.

O Brasília Country Clube é uma dessas. De acordo com o presidente do espaço, Carlos Henrique de Paula, o clube tem mais de 100 hectares de floresta. Para ele, fruto de preservação e muito amor à fauna e à flora. “Nós somos um antigo parceiro do Ibama nesse programa de soltura dos animais. A gente tem uma preocupação muito grande, tanto com fauna quanto com a flora. As crianças estão aqui para ver os passarinhos saindo da gaiola e indo para a natureza, o que é muito lindo”, destaca.

Ao lado do pai, Luciano Fuck, Catarina estava orgulhosa de ter soltado um periquito(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Ao lado do pai, Luciano Fuck, Catarina estava orgulhosa de ter soltado um periquito (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Ajuda especial


Catarina, de 4 anos, foi uma das crianças que auxiliou na libertação das aves. “Eu ajudei a soltar um periquito”, conta. Além de libertar o bichinho, a pequena saiu com uma lição: “A gente não pode maltratar os passarinhos”. O pai da menina, o servidor público Luciano Fuck, 39, destaca a importância de conscientizar as crianças. “Elas precisam ver para aprender. Não basta só a gente falar. Eles verem os pássaros felizes na natureza mostra que esse é o lugar deles, não dentro de uma gaiola”, diz.
 
Allana foi com a família ao clube e amou ter participado da ação do Ibama(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Allana foi com a família ao clube e amou ter participado da ação do Ibama (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
 

Allana, de 8 anos, também era uma das ajudantes. A garota estava com os pais e o irmão, que também ajudou na ação. Animada com os pássaros, ela não negava estar amando vê-los voarem. “Eu gostei muito. São bonitinhos.” Além da conscientização ambiental, a mãe, a administradora Carla Oliveira, 38, ressalta a importância do contato com a natureza. “É bom sair um pouco dos jogos eletrônicos e vir para a natureza. O melhor é ver os pássaros soltos, vê-los no seu habitat”, enfatiza.

De acordo com o coordenador do Cetas, até setembro, o centro de triagem recebeu mais de três mil aves. Ele destaca que a maioria delas eram criadas de forma ilegal. Além de animais resgatados por meio de denúncia, Márcio informa que o Ibama recebe bichos de forma voluntária. “As pessoas que fizerem essa entrega não sofrerão nenhuma punição, nenhuma multa”, garante.

Para falar com o Ibama, entre em contato no número  0800 61 8080. As denúncias também podem ser feitas por formulário no site ou pessoalmente nas unidades da instituto.
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade