Publicidade

Correio Braziliense

Calendário vivo registra história de pessoas que lutaram contra o câncer

Calendário Vivo registrará a história de pessoas que enfrentaram o câncer. O objetivo é informar sobre a importância do diagnóstico precoce e incentivar quem passa por tratamento para a doença


postado em 08/11/2018 06:00 / atualizado em 08/11/2018 14:08

Priscila Veiga comemorou cinco anos livre da doença em agosto deste ano (foto: Barbara Cabral/Esp. CB/D.A Press )
Priscila Veiga comemorou cinco anos livre da doença em agosto deste ano (foto: Barbara Cabral/Esp. CB/D.A Press )

 

Em 21 de agosto, a cozinheira Priscila Veiga, 24 anos, recebeu a melhor notícia da vida: a cura do câncer. Há cinco anos, a jovem foi diagnosticada com um linfoma de Hodgkin no pescoço e enfrentou momentos difíceis. Após passar por 12 sessões de quimioterapia e receber alta do tratamento, ela se sente uma mulher mais forte.

“Quando descobri, eu não tinha dimensão do que estava acontecendo comigo. Durante todo o tempo pensei positivo,  levei de uma forma tranquila, porque eu tinha certeza de que sairia daquela situação. Fiz coisas para que não me abalasse. Eu me cuidei direitinho, passei por todos os médicos, inclusive psicólogo”, conta.

Carolina Pessôa é voluntária da Abrace e será uma das participantes da iniciativa (foto: Arquivo Pessoal )
Carolina Pessôa é voluntária da Abrace e será uma das participantes da iniciativa (foto: Arquivo Pessoal )
Além da cura, a jovem ganhou mais um presente, a união da família. “Quando recebi o diagnóstico do câncer, eu morava aqui em Brasília com minha avó e meus pais moravam em Boa Vista com minha irmã. Eles mudaram de cidade para poder me acompanhar. Meus tios saíam comigo, minha vó sempre fazia as comidas de que mais gosto. Estivemos sempre juntos.”

Histórias de superação como a da Priscila inspiraram o novo projeto da Abrace, o Calendário Vivo. O objetivo é que cada dia de 2019 seja representado pela foto e o testemunho de pessoas que venceram algum tipo de câncer. Desta forma, a iniciativa precisa contribuir e reforçar a ideia de que a cura da doença é possível, motivando aqueles que ainda passam pelo tratamento.

A ação é uma parceria da Abrace com a agência de comunicação Fields 360, que encabeçou a ideia. “O projeto faz parte do trabalho de dar assistência às famílias das crianças que atendemos e também uma oportunidade de levar informação para a sociedade. É uma forma de incentivar quem hoje está enfrentando a doença e levá-la a acreditar e a vencer. Queremos levar uma mensagem positiva”, relata a presidente da Abrace, Maria Angela Marini.

Superação

A estudante de administração Carolina Pessôa, 20, será uma das participantes do Calendário Vivo. Ela teve um Linfoma Ósseo de Grandes Células B Não Hodgkin no cotovelo esquerdo, tipo raro de câncer. A jovem fez a última quimioterapia em 31 de janeiro de 2014 e, hoje, espera o período de meia-vida — cinco anos a após a cura — para receber a alta definitiva do tratamento.

“Estou sonhando com o dia 31 de janeiro de 2019.  Desde os meus 11 anos eu sentia dor no cotovelo e, até descobrir o câncer, passou muito tempo. Ainda tive metástase e o câncer atingiu dois pontos da minha perna direita e a coluna. Depois disso tudo, eu me sinto uma pessoa muito forte. Eu renasci. Uma das coisas que me ajudou foi a musicoterapia na Abrace, que me alegrou bastante”, lembra a estudante.

Hoje, Carolina é voluntária na Abrace e faz parte da Sinfonia da Saúde, levando música para as crianças com câncer. “Faço questão de participar dos projetos da Abrace, porque eles fizeram parte da minha recuperação. A importância dessa ação é ver que histórias como a minha e das minhas amigas, que venceram o câncer, ajudam outras pessoas a ter força de vontade de viver”, declara.

Campanhas

Com o fim do Outubro Rosa e a chegada do Novembro Azul, a atenção voltada para a prevenção do câncer aumenta. Os meses têm o propósito de alertar a todos sobre os cuidados que devem ser tomados para evitar a doença. A oncologista da Aliança Instituto de Oncologia Gabrielle Scattolin ressalta que toda e qualquer ação feita para mostrar a possibilidade da cura é válida e ajuda, principalmente, a desmistificar a doença.

Ela destaca que quem passa pelo tratamento com positividade tem mais esperança de tirar da cabeça a ideia ultrapassada de que é uma enfermidade letal e isso auxilia, inclusive, no tratamento. “As campanhas enfatizam e fazem a situação ser comentada de uma forma que alerta a sociedade. É importante lembrar que, quanto mais precoce for o diagnóstico, maiores as chances de a pessoa ser curada”, explica a oncologista.
 

» Para participar

As inscrições para participar do Calendário Vivo estão abertas desde o início deste ano e o objetivo é alcançar 365 pessoas que tenham vencido algum tipo de câncer. Quem desejar entrar em uma das páginas deve se inscrever no site da Abrace pelo link www.calendariovivo.com ou ligar no telefone (61) 3209-8800.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade