Publicidade

Correio Braziliense

Correio é finalista em três categorias no Prêmio Engenho

Os colunistas Denise Rothenburg e Luiz Carlos Azedo concorrem ao prêmio de Melhor coluna; o jornal, a Melhor veículo impresso; o caderno de Cidades, como a Melhor cobertura de Brasília


postado em 09/11/2018 06:00 / atualizado em 08/11/2018 22:42

Jornalistas do Correio escolhidos pelos jurados para a premiação(foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
Jornalistas do Correio escolhidos pelos jurados para a premiação (foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)

O Correio Braziliense concorre a três indicações ao Prêmio Engenho de Comunicação deste ano. O evento, que premia os mais notáveis veículos e jornalistas da capital federal, está na 15ª edição. Em um jantar especial para cerca de 70 convidados, na quarta-feira, foram apresentados aos jornalistas concorrentes o júri de notáveis que vai determinar os vencedores de 2018.

Os colunistas Denise Rothenburg e Luiz Carlos Azedo concorrem ao prêmio de Melhor coluna; o jornal, a Melhor veículo impresso; o caderno de Cidades, como a Melhor cobertura de Brasília. A festa de premiação será realizada em 22 de novembro, em evento restrito a convidados, no Minas Hall, e terá a apresentação da cantora Mart’nália. Entre os profissionais homenageados nesta edição, também está Liana Sabo, jornalista do Correio há 50 anos.

Ao longo desses 15 anos, o Correio ganhou 18 prêmios em diversas categorias. Entre eles, melhor veículo impresso, melhor coluna, melhor inovação jornalística, melhor cobertura de Brasília, entre outros.

Para a presidente do Prêmio Engenho, Kátia Cubel, a imprensa é um dos pilares da sociedade atual, e sem o jornalismo, não existe liberdade de expressão. “Sem isso, não se vive em uma sociedade com chance de ter avanços. O prêmio se baseia em: liberdade de expressão, ética, transparência, democracia e cidadania”, disse. “O jornalismo é um fio que costura todos esses valores”, completou Kátia.

Ela também destacou a importância dos parceiros de cada edição para a realização do prêmio. “Esse evento só existe porque essas empresas e organizações da sociedade civil apoiam com recursos para que eles sejam realizados”, afirmou.

Júri eclético

Este ano, o júri será composto pelo ministro da Transparência CGU, Wagner Rosário, a ministra da Advocacia-Geral da União (AGU), Grace Mendonça, o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Bruno Dantas, o embaixador de Portugal no Brasil, Jorge Cabral, o presidente do Sistema Fecomércio-DF, Adelmir Santana, a diretora Jurídica do Senar-CNA, Eliziane Carvalho, e o professor Bruno Nalon, representante do segmento acadêmico do Centro Universitário de Brasília (UniCeuB).

Nesta edição, a presidente da comissão julgadora é a ministra Grace Mendonça. Em discurso na quarta-feira, a magistrada ressaltou a importância da imprensa para o país. “Foi um trabalho difícil, porque temos um rol de profissionais tão dedicados em Brasília que honram a profissão e realmente conseguem levar à população de todo o Brasil a informação confiável, verídica”, destacou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade