Publicidade

Correio Braziliense

DF entra em situação de alerta contra Aedes aegypti

Larvas do mosquito que transmite dengue, chikungunya, zika e febre amarela foram encontradas com maior frequência em residências do Lago Norte e Fercal


postado em 26/11/2018 23:38

Mosquito transmite dengue, chikungunya, zika e febre amarela(foto: AFP PHOTO/CHRISTOPHE SIMON)
Mosquito transmite dengue, chikungunya, zika e febre amarela (foto: AFP PHOTO/CHRISTOPHE SIMON)
O Distrito Federal está em estado de alerta contra o mosquito Aedes aegypti, anunciou a Secretaria de Saúde, nesta segunda-feira (26/11). A situação é respaldada pelo mais recente Levantamento Rápido de Índices para o Aedes aegypti, que apresentou números altos de presença de recipientes com larvas do mosquito durante o período de chuva na capital federal.

Um dos pontos do estudo indica que o Índice de Infestação Predial com larvas do mosquito subiu de 0,2% em agosto para 1,48% em novembro. As regiões do Lago Norte (8,73%), Fercal (5,41%), Lago Sul (4,78%) e Sobradinho 2 (4,54%) são as que têm maiores percentuais de infestação do DF. 

A crescente explica-se pela quantidade de chuva que caiu sobre a capital federal neste mês. Desde o primeiro dia de novembro, o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) contabilizou 371 mm de precipitação, o que colocou a unidade da federação entre as regiões em situação de alerta contra o Aedes. A média história do mês é de 227 mm, segundo o Inmet.

De acordo com o último Informativo Epidemiológico da Secretaria de Saúde, houve 1.913 casos prováveis de dengue em moradores do Distrito Federal em 2018. Três destes casos foram graves e uma pessoa morreu por causa da doença neste ano. Os números são menores que os registrados no ano passado, quando 3.770 residentes da capital tiveram casos prováveis da doença, sendo 21 graves e 12 mortes.

Diagnóstico da infestação


O levantamento foi feito em todas as regiões administrativas, passando por quarteirões sorteados. Nas residências selecionadas, foram identificados e examinados os depósitos que reuniram condições para proliferação do mosquito que transmite dengue e outras doenças. Caso houvesse presença da larva, ela seria removida e contabilizada.

O secretário de Saúde do DF, Humberto Lucena, tenta mobilizar os moradores do Distrito Federal para o combate contra o mosquito. “Agora é o momento de a cidade se mobilizar, de a população tomar consciência e fazer a vistoria para evitar um aumento no número de casos em 2019. Todos temos de agir para impedir que a larva do mosquito nasça e se prolifere”, entende.

Por parte da pasta, são realizadas ações em várias cidades do DF com foco na prevenção e controle à infestação do mosquito até esta quinta-feira (29/11). O Corpo de Bombeiros também integra a equipe, com 350 militares treinados para atuar nessas ações. O movimento faz parte da Semana Distrital de Mobilização contra a Dengue e Outras Doenças Transmitidas pelo Aedes, iniciada na última sexta-feira (23/11). 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade