Publicidade

Correio Braziliense

Júri popular absolve acusado com problemas psiquiátricos

Jurados consideraram que o réu não tinha plena consciência de seus atos quando cometeu o crime. Ele respondia por tentativa de homicídio


postado em 29/11/2018 22:12 / atualizado em 29/11/2018 22:34

Júri popular absolveu o réu por sofrer de transtorno bipolar(foto: Lucas Pacífico/CB/D.A Press)
Júri popular absolveu o réu por sofrer de transtorno bipolar (foto: Lucas Pacífico/CB/D.A Press)
O Tribunal do Júri de Ceilândia absolveu, nesta quinta-feira (29/11), um homem que sofria de transtorno afetivo bipolar e tentou matar uma pessoa a facadas. O réu era acusado de tentativa de homicídio por atacar uma pessoa, no dia 14 de dezembro de 2015, no interior de um trailer, em Ceilândia.

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) foi o responsável pela acusação. Nos inquéritos, depoimentos indicavam que o réu tentou atacar um homem  de surpresa, pelas costas, enquanto a vítima lanchava em um trailer com a namorada. Quem avistou o acusado chegando com a faca foi a mulher, que gritou e permitiu que a vítima fugisse. A vítima teve apenas um corte superficial na cabeça.

A vítima diz não saber por que foi atacado, mas conta que a namorada recebeu uma mensagem do acusado dias antes da ocasião que estava escrito "o que é seu está guardado".

O promotor de Justiça Tiago Fonseca Moniz disse, no julgamento, que a senteça do réu deveria ser amenizada, sabendo do problema psiquiátrico do acusado. "A medida adequada é a da internação, uma vez que o crime por ele cometido tem pena de reclusão", argumentou.

Em contraponto, a defesa do acusado sustentou a necessidade de absolvição, por considerar o réu semi-imputável, ou seja, não tem plena consciência de seus atos. Apontou, também, a relevância de a lesão sofrida pela vítima na ocasião ter sido leve.

O júri popular, composto por sete pessoas, decidiu por absolver o acusado. Coube ao juiz Tiago Pinto Oliveira proferir a sentença.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade