Publicidade

Correio Braziliense

Temer altera Lei e entorno do DF vira região metropolitana

A expectativa é de que façam parte da Região Metropolitana as 33 cidades que hoje compõem a Região Integrada de Desenvolvimento do DF e Entorno (Ride)


postado em 04/12/2018 20:52 / atualizado em 04/12/2018 21:36

(foto: Cesar Itiberê/PR )
(foto: Cesar Itiberê/PR )
Atendendo a pedido de seu correligionário — o governador eleito do Distrito Federal, Ibaneis Rocha —, o presidente Michel Temer (MDB) assinou nesta terça-feira (4/12) uma Medida Provisória que cria a Região Metropolitana do DF, composta por municípios do Entorno.

A expectativa é de que façam parte da Região Metropolitana as 33 cidades que hoje compõem a Região Integrada de Desenvolvimento do DF e Entorno (Ride). Destas, 29 pertencem ao estado de Goiás e outras quatro estão em Minas Gerais. Com a mudança, elas seguirão fazendo parte de seus estados, mas também poderão receber recursos e integrar políticas de desenvolvimento da nova região.

“São pleitos da economia, mas também são dos cidadãos do DF e do entorno. Esperamos daqui pra frente trazer uma era de desenvolvimento para a região. Com a região metropolitana você pode fazer uma só licitação, com projeto integrado”, afirmou o governador eleito, que participou da cerimônia de assinatura da MP.

Ibaneis destacou ainda que a criação da Região Metropolitana deve facilitar o desenvolvimento das cidades que a compõem, já que hoje elas têm uma atividade econômica mais ligada ao DF que a seus estados. “São vários programas, como os programas de saúde, que podem ser feitos de forma integrada. […] Entra tudo. Entra segurança, saúde, infraestrutura, geração de emprego e renda, produção de energia, distribuição de água. Todos os projetos feitos de forma separada e que dependiam de consórcio agora podem ser feitos de forma direta”, explicou.

Ainda durante a cerimônia, Temer assinou uma outra MP transferindo o controle da Junta Comercial do DF — que atende micro e pequenos empreendedores — para o governo local. Antes, a autarquia era controlada pela União. As duas Medidas Provisórias precisam ser aprovadas pelo Congresso antes de entrarem em vigor. A previsão é de que elas sejam analisadas no início do próximo ano.

Com informações da Agência Brasil

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade