Publicidade

Correio Braziliense

Empresários de Brasília são os novos donos do Hotel Nacional

A Incorp representa dois grupos responsáveis pelo comando de 10 hotéis na cidade, o Phenícia e a construtora Luner, proprietária do Quality Hotel


postado em 04/12/2018 21:43 / atualizado em 04/12/2018 22:45

Hotel Nacional foi vendido por quase R$ 93 milhões(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
Hotel Nacional foi vendido por quase R$ 93 milhões (foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
Arrematado por R$ 93 milhões, o Hotel Nacional de Brasília, um dos símbolos da arquitetura e da história da capital, será reformado e modernizado, mas sem perder as características principais. É isso que garante a Incorp, empresa de incorporação e imobiliária que comprou o prédio. “Ele será adaptado de maneira moderna, mas sem alterar a arquitetura”, assegura o advogado da companhia Saulo Mesquita.

A Incorp representa dois grupos responsáveis pelo comando de 10 hotéis na cidade, o Phenícia e a construtora Luner (dona do Quality Hotel). Por isso, a intenção é manter o funcionamento e não alterar o ramo de negócio do prédio. “Como são dois grupos com experiência na área, queremos fazer com que o Hotel Nacional volte a ser o ícone que merece”, diz Mesquita. Um dos sócios da Incorp é o empresário Lutfallah Ramez Farah, que é também um dos donos, entre outros empreendimentos, da São Geraldo Materiais de Construção.

O advogado explica que o processo de arrematação ainda precisa passar por algumas etapas antes de a propriedade ser oficialmente passada ao grupo. “Agora, temos de esperar os prazos recursais e a emissão de uma carta de arrematação antes de fazer qualquer coisa em relação ao prédio”, esclarece.
Entrada do Hotel Nacional de Brasília(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
Entrada do Hotel Nacional de Brasília (foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)

Leilão

O Hotel Nacional de Brasília foi levado a leilão três vezes neste ano por meio do site Mega Leilões. Na primeira tentativa, em 29 de outubro, o edifício foi avaliado em R$ 185.942.646,65. Após duas semanas sem propostas, o preço mínimo para arrematar o hotel baixou para R$ 130.159.852,66, em 12 de novembro. Mesmo assim, ele continuou sem receber nenhum lance. Em 27 de novembro, o valor de avaliação voltou a cair: R$ 92.971.323,33. 

Pouco mais de 5,7 mil pessoas acessaram a página que anunciava o leilão, mas nenhuma se dispôs a comprar o Hotel Nacional. Contudo, antes de o certame ser encerrado, a Incorp I Empreendimentos Imobiliários Ltda, com sede em Brasília, fez uma oferta de R$ 93 milhões para arrematar o edifício. A proposta da empresa foi apresentada presencialmente à organizadora do leilão. Os responsáveis pela Incorp I Empreendimentos Imobiliários Ltda se comprometaram em pagar o valor de forma parcelada, que deve ser quitado por completo apenas em junho de 2021.

O Hotel Nacional não é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), apesar de estar inserido no conjunto urbanístico de Brasília — este, por sua vez, tombado como patrimônio nacional e distrital. Dessa forma, o novo proprietário da edificação teria a liberdade de, por exemplo, demolir a estrutura, desde que respeitasse a volumetria dos edifícios. A Incorp garante que isso não será feito. 

A reportagem tentou entrar em contato com os atuais proprietários do Hotel Nacional de Brasília, mas nenhum responsável pelo edifício concedeu entrevistas

Luxo e decadência


Inaugurado no dia do primeiro aniversário de Brasília, o Hotel Nacional ganhou o status de principal ponto de encontro da elite política e social do Distrito Federal. Autoridades, políticos e celebridades eram constantemente hóspedes do espaço, que abrigou nomes importantes do país e do mundo. 
1970: Atriz Leila Diniz na piscina no Hotel Nacional durante visita à Brasília para o VI Festival de Brasília do Cinema Brasileiro(foto: Arquivo CB/CB/D.A Press)
1970: Atriz Leila Diniz na piscina no Hotel Nacional durante visita à Brasília para o VI Festival de Brasília do Cinema Brasileiro (foto: Arquivo CB/CB/D.A Press)

Em novembro de 1968, quando Brasília deu as boas-vindas à rainha Elizabeth II, da Inglaterra, e ao príncipe Philip, o Hotel Nacional abriu as portas aos dois. Para a ocasião, foi arrumada pela primeira vez a suíte presidencial, no 9º andar. A inauguração da suíte nobre só não ocorreu antes porque quando o hotel abriu as portas só os três primeiros andares — dos 10 — estavam prontos. 

A placa de inauguração da melhor suíte do hotel, com cerca de 800m², ainda enfeita o corredor de elevadores no térreo. Outros ilustres visitantes que passaram pela capital provaram do luxo da presidencial, como o presidente francês Charles De Gaulle, os presidentes dos Estados Unidos Jimmy Carter e Ronald Reagan, o primeiro-ministro de Portugal Cavaco Silva, e inúmeros secretários, ministros, embaixadores e diplomatas. 
1983: O governador de Minas Gerais (sentado), Tancredo Neves, com parlamentares no Hotel Nacional(foto: Wilson Pedrosa/CB/D.A Press)
1983: O governador de Minas Gerais (sentado), Tancredo Neves, com parlamentares no Hotel Nacional (foto: Wilson Pedrosa/CB/D.A Press)

O Hotel foi ainda importante para a cultura brasiliense. O espaço foi sempre o local em que se hospedaram as estrelas do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Diretores, atores e críticos agitavam o cotidiano do local. Estrelas do cinema mundial também passaram por lá, como Catherine Deneuve, John Travolta e o cineasta Roman Polanski. 

A má gestão somada ao surgimento de novos hotéis e clubes, contudo, acabou levando o Hotel Nacional a pedir concordata à justiça mineira em 1991, ano em que completaria 30 anos. Nessa época, a rede Horsa, proprietária do edifício, estava envolvida numa dívida de US$ 20 milhões, e o Hotel era avaliado em cerca de US$ 21 milhões. Em 1994, a rede Horsa acabou vendendo o hotel e o comando foi para as mãos de Wagner Canhedo. Apesar disso, os problemas financeiros continuaram. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade