Publicidade

Correio Braziliense

Garis participam de formatura de curso de alfabetização

Ao todo, 44 pessoas receberam hoje (5/12) o certificado de alfabetização em formatura na Universidade Católica de Brasília. O curso funciona há quatro anos e é uma iniciativa da empresa Sustentare Ambiental.


postado em 05/12/2018 20:31 / atualizado em 06/12/2018 16:29

No salão improvisado, cabeleireiros e maquiadores cuidaram dos 44 garis formandos(foto: Camila Cortez/Sustentare)
No salão improvisado, cabeleireiros e maquiadores cuidaram dos 44 garis formandos (foto: Camila Cortez/Sustentare)
Um dos auditórios localizados na sede do Serviço de Limpeza Urbana (SLU), na L4 Sul, transformou-se em um grande salão de beleza na tarde desta quarta-feira (5/12). Lá dentro, sete homens e 37 mulheres, que trabalham como garis, aguardavam ansiosos para arrumarem o cabelo e serem maquiados. O motivo? A tão esperada festa de formatura do curso de alfabetização, nesta noite na Universidade Católica de Brasília.
 
Os 44 garis fazem parte do projeto de alfabetização criado pela Sustentare Ambiental, empresa de limpeza urbana que presta serviço ao GDF. Os garis receberão o certificado de conclusão do curso de alfabetização, que começou em março deste ano. Na turma de formandos, pessoas de todas as idades. Seu Pedro Ferreira é o aluno mais velho: 70 anos. Orgulhoso e emocionado, ele falou sobre a alegria de ter aprendido a ler e escrever. 
 
"Eu fui criado na roça e não tive a oportunidade de estudar. Hoje, é um novo mundo que se abre, eu já consigo ler as placas nas ruas, os avisos, já consigo reconhecer os números. Antes, eu tinha vergonha de pedir alguma informação porque não sabia ler, mas hoje é diferente", disse seu Pedro.
 
Logo que terminou o cabelo e a maquiagem, Rosângela da Silva, 41 anos, correu para vestir a roupa de gala que usaria na formatura. Ela, que nunca teve a oportunidade de aprender a ler e escrever, não escondia a alegria de participar da cerimônia.
 
"É uma alegria muito grande participar dessa formatura hoje, eu me sinto realizada. Agora que sei ler, já posso identificar os destinos dos ônibus. Tudo no dia a dia fica mais prático. O objetivo agora é continuar estudando, continuar para melhorar mais ainda."

Rosângela da Sila, 41 anos, uma das participantes do projeto se prepara para a grande noite de formatura(foto: Thiago Melo/ CB press)
Rosângela da Sila, 41 anos, uma das participantes do projeto se prepara para a grande noite de formatura (foto: Thiago Melo/ CB press)
 
 
A iniciativa 
 
O projeto funciona há quatro anos e já alfabetizou mais de 100 garis. Neste ano, os alunos foram divididos em três turmas. Os participantes eram liberados pelo SLU para participarem das aulas, que ocorriam durante a semana em salas de aula preparadas na sede da empresa. O material escolar foi fornecido pela UCB.
 
Os três professores das turmas são funcionários da Sustentare e foram capacitados por meio de um projeto da Universidade Católica de Brasília, que promove a alfabetização de adultos, chamado de "Alfabetização Cidadã". Uma das professoras que participou do projeto com os garis é a psicóloga Amanda Teles. Ela, que há quatro anos acompanha a iniciativa, explicou como surgiu o projeto de alfabetização de garis.
 
"Essa iniciativa surgiu depois que nós vimos que mais de 70% de nossos colaboradores eram analfabetos. Não podiam ler um comunicado, assinar um documento, checar o contracheque e, a partir disso, fizemos essa parceria com a Universidade Católica", disse Amanda. 
 
De acordo com um levantamento feito pela Departamento de Recursos Humanos da Sustentare, dos 2.500 garis que atuam na empresa, mais de 55% são analfabetos ou não concluíram o ensino primário.  
 
"Além de proporcionar uma vida mais digna, a alfabetização é muito importante para aumentar o engajamento dos funcionários, as chances de promoção e diminuir os riscos de acidentes", afirmou Williani Carvalho, coordenadora de Projetos e Recursos Humanos da Sustentare Ambiental e também uma das professoras.
 
O projeto de alfabetização contou ainda com a parceria das lojas Lisdamas e Sonho Real, que forneceram voluntariamente as roupas de gala para os 44 garis, para serem usadas durante a formatura. Já a maquiagem e os penteados dos graduandos foram feitos pela Embelleze. A cerimônia ficou por conta da UCB. Após a entrega dos diplomas, os estudantes serão encaminhados à rede pública de ensino.
 
Estagiário sob a supervisão de Roberto Fonseca 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade