Publicidade

Correio Braziliense

Por carta, criança de 12 anos conta à mãe que é abusada pelo padrasto

A mulher fingiu não acreditar na filha para que o suspeito não fugisse. Ela armou uma emboscada e o homem acabou preso em flagrante


postado em 05/12/2018 20:03 / atualizado em 05/12/2018 20:03

(foto: Maurenilson Freire/CB/D.A Press)
(foto: Maurenilson Freire/CB/D.A Press)
Um homem foi preso suspeito de abusar sexualmente da enteada, de 12 anos. A própria vítima relatou o que ocorria à mãe, por meio de um bilhete. A mulher fingiu não acreditar na criança, com o objetivo de o serralheiro ser preso em uma emboscada armada por ela. O caso ocorreu na terça-feira (4/12), em Ceilândia. 
 
"Desde o dia 30 de agosto, o (suspeito) tem pegado nas minhas partes íntimas", assim começou o bilhete da criança à mãe. Ela entregou o pedaço de papel na presença do padrasto. Segundo ela, porque "não podia ter medo". 
 
A mãe da menina leu o relato e o homem negou tudo. A mulher fingiu acreditar no companheiro para que ele não fugisse, uma vez que o suspeito arrumava as roupas para sair da residência.
 
"Eu o chamei para irmos a um barzinho perto de casa para beber e jogar sinuca. Mas, antes mesmo de sair, havia chamado a Polícia Militar para prendê-lo", conta. 
 
O suspeito foi preso em flagrante e encaminhado à 24ª DP (Setor O). No local, a vítima narrou os abusos que sofria. Em uma das ocasiões, chegou a ter conjunção carnal. 
 
"Um dia, minha mãe havia saído e ele se deitou ao meu lado. Tirou o 'negócio' (órgão genital) dele para fora e colocou nas minhas partes íntimas. Ele só não colocou tudo e continuou porque percebeu que minha mãe chegava. Aí ele correu para o sofá e fingiu que estava deitado", relembra a menina. 
 
A vítima passou por exame no Insituto de Medicina Legal (IML), onde foram comprovados os abusos sexuais. O suspeito tem uma passagem pela Lei Maria da Penha.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade