Publicidade

Correio Braziliense

Bazar do Rema começa hoje no Estádio Nacional Mané Garrincha

O evento beneficente, que teve início no quarto de um apartamento, este ano será realizado no Estádio Nacional


postado em 06/12/2018 06:00 / atualizado em 05/12/2018 22:58

Itens produzidos em oficinas e que serão vendidos no Bazar de Natal do Rema, em dezembro de 2018 (foto: Jéssica Eufrásio/CB/D.A Press )
Itens produzidos em oficinas e que serão vendidos no Bazar de Natal do Rema, em dezembro de 2018 (foto: Jéssica Eufrásio/CB/D.A Press )

 

Para custear ações sociais e a subsistência, 45 instituições participam da 42ª edição da feira natalina Bazar do Rema. O evento começa hoje, às 10h, no Estádio Nacional Mané Garrincha, e vai até domingo, às 19h. No fim da tarde de ontem, os participantes faziam os preparativos finais nos 75 estandes, vários deles dedicados a artigos natalinos.

A primeira edição do bazar aconteceu em 1976, no quarto de um apartamento no Bloco C da 109 Sul, 15 dias após a fundação da Casa Espírita Recanto de Maria (Rema). “Estava ao lado da médium Irene Machado, quando fundamos a instituição. Fizemos nosso primeiro bazar, no quarto da minha filha e começamos nossas primeiras ações sociais, com distribuição de cestas básicas e enxovais para gestantes carentes. No terceiro ano, o quarto ficou pequeno e fomos para a Casa das Artes, na 102 Norte”, lembra Octicília Sabino, presidente da instituição.

A partir da década de 1990, outras instituições passaram a integrar o bazar. Para Octicília, o trabalho realizado pelos participantes, todos voluntários, é uma forma de “ser útil à sociedade”. “É um evento importante para diversas instituições sociais, religiosas ou não. É, também, uma oportunidade para os participantes desenvolverem as próprias faculdades e aprender novas habilidades, como pintura e crochê, por exemplo”, afirma.

Ações sociais

O Bazar do Rema está localizado no Portão 20 do Mané Garrincha, virado para o Autódromo Nelson Piquet. As instituições participantes rateiam os custos da segurança e dos standes, que, este ano, custaram cerca de R$ 1,9 mil a unidade. “Nosso combustível é a prática da caridade e não há discriminação (de instituições)”, ressalta José Santarém, coordenador do evento.

Uma das instituições que participam do Bazar do Rema é a Casa do Pequeno Polegar. A creche, que é laica, atente 164 crianças de 1 a 5 anos, moradoras de regiões administrativas mais pobres. A presidente da entidade, Marina Abdo explica que não conseguiria manter os serviços apenas com a verba do GDF. “As crianças recebem cinco refeições por dia. Em janeiro, quando começamos a funcionar, muitas crianças chegam mais magras, com fome, e é um mês que a verba demora mais para entrar. As aulas de música e capoeira, somos nós que custeamos. A feira é fundamental.”

Bazar do Rema

Funcionamento da feira

» De hoje a sábado, das 10h às 22h. No domingo, das 10h às 19h.
» Confira mais detalhes no site do evento: www.rema.org.br/blog

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade