Publicidade

Correio Braziliense

Paciente com fratura na perna terá de esperar 40 dias por cirurgia

Hospital de Base diz que ordem segue uma classificação de risco e prioriza situações de "urgência e emergência"


postado em 17/12/2018 21:34 / atualizado em 17/12/2018 21:34

Exame de raio-x mostra perna de paciente com fratura(foto: Reprodução/Raio-X)
Exame de raio-x mostra perna de paciente com fratura (foto: Reprodução/Raio-X)
Um homem de 42 anos está internado no Hospital de Base para fazer uma cirurgia na perna, depois de quebrar a tíbia e a fíbula. Mas a equipe médica não soube precisar quando a operação será realizada, porque existem pacientes que esperam há aproximadamente 40 dias para fazer o mesmo procedimento. 

Tratador de cavalos, Eguinaldo Viana Xavier machucou-se na manhã desta segunda-feira (17/12) durante uma confraternização de fim de ano. Ele tropeçou em outra pessoa, desequilibrou-se e caiu. Os bombeiros fizeram os primeiros atendimentos e o encaminharam ao Hospital de Base. 

Amiga da família há pelo menos 15 anos, Barbara Joffily, 28, acompanha Eguinaldo. Ela disse que, ainda pela manhã, o paciente precisou fazer uma radiografia. "Ele sentia dor, mas a equipe disse que, enquanto não tivesse um resultado do exame, não poderia prescrever remédio para dor. Quando o médico viu, estabilizou a fratura, indicou o medicamento, mas disse que ele teria de entrar em uma fila de espera e não tinha previsão de quando a cirurgia seria realizada", contou Barbara.

A economista chegou a indagar um prazo, mas, segundo ela, o médico informou que havia paciente com espera de até 40 dias. "Ele disse que não podia garantir nada. O Eguinaldo ficou em uma sala com mais de 100 pessoas precisando de algum tipo de cirurgia. É um descaso", lamentou.

Eguinaldo permanece internado enquanto a família e amigos tentam agilizar o procedimento cirúrgico. "Ele não pode ser liberado nem dão uma resposta da cirurgia. A gente se sente impotente, porque quer resolver a situação, mas não dão uma previsão. Não sabem dizer um prazo nem têm uma resposta. E ele não é o único", ressaltou.

Em nota, o Hospital de Base informou que "as filas de cirurgias da rede pública de saúde seguem a classificação de risco, priorizando situações de urgência e emergência". Por esse motivo, segundo a unidade de saúde, "a previsão de realização de cirurgia do paciente E. V. X. é de até 40 dias."

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade