Publicidade

Correio Braziliense

CRM suspende médico acusado de deformar pacientes no DF e em Goiás

Conselho Regional de Medicina do DF divulgou nota esclarecendo que o médico Wesley Noryuki Murakmi foi interditado cautelarmente e, por isso, não pode exercer a medicina até a decisão de mérito da investigação do caso


postado em 19/12/2018 11:38 / atualizado em 19/12/2018 12:14

Wesley Noryuki Murakami é acusado de deformar o rosto de vários pacientes(foto: Fernando Lopes/CB/D.A Press. Mão segura bisturi.)
Wesley Noryuki Murakami é acusado de deformar o rosto de vários pacientes (foto: Fernando Lopes/CB/D.A Press. Mão segura bisturi.)
O Conselho Regional de Medicina do DF anunciou na manhã desta quarta-feira (19/12), que o médico Wesley Noryuki Murakami foi "interditado cautelarmente" e, por isso, não pode exercer a medicina até a decisão de mérito da investigação do processo ético. Além do processo, o médico responde a uma sindicância que corre em sigilo processual.

Quando um médico é processado eticamente no CRM, passa por julgamento ético-profissional e caso seja condenado, poderá sofrer as penas previstas na Lei n.º 3.268, Artigo 22, que vão desde a advertência confidencial até a cassação definitiva do registro profissional.

O Conselho apura infrações apenas no âmbito ético, para responder judicialmente, o médico deverá ser denunciado à Justiça. 
 
O Correio noticiou as denúncias contra o médico em 4 de dezembro. Na reportagem, o cirurgião-dentista Flávio Roberto Rodrigues, 35 anos, relatou que sempre desejou fazer um procedimento estético. Assim que teve a oportunidade, não imaginou que a realização do sonho se tornaria o pior pesadelo de sua vida. Após passar por uma bioplastia facial, ele teve efeitos colaterais em toda a face. E ficou com o rosto deformado. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade