Publicidade

Correio Braziliense

Brasilienses recebem SMS com instruções para a posse presidencial

Segundo o GSI, as mensagens são enviadas pela coordenação responsável pela segurança no dia da posse e contou com o apoio da Anatel para os disparos


postado em 27/12/2018 20:29 / atualizado em 27/12/2018 22:47

Ensaio para a posse presidencial de Jair Messias Bolsonaro, na Esplanada dos Ministérios e Praça dos Três Poderes(foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)
Ensaio para a posse presidencial de Jair Messias Bolsonaro, na Esplanada dos Ministérios e Praça dos Três Poderes (foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)
A poucos dias da posse do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), usuários de aparelhos celulares com DDD 61 têm recebido mensagens com instruções e restrições de segurança para a cerimônia. O evento ocorre na Esplanada dos Ministérios, em 1º de janeiro. 

 

As mensagens foram enviadas pelo número 40900 e direcionam os usuários para o site do Gabinete de Segurança Institucional (GSI). "Presidência da República: Durante a posse presidencial, alguns itens não poderão ser levados para a Esplanada. Acesse: www.gsi.gov.br ou #PossePresidencial2019", diz o texto. 

 

No portal do GSI, é possível ver um banner logo na página inicial, com itens proibidos na posse, tais como: bebidas alcoólicas, garrafas, guarda-chuvas, fogos de artifício, apontadores laser, animais, bolsas e mochilas, sprays, máscaras, produtos inflamáveis, armas de fogo, objetos cortantes, drones e carrinhos de bebê. 

 

Difusão a partir das operadoras 

 

(foto: Reprodução )
(foto: Reprodução )
De acordo com o Gabinete, a origem da mensagem é da Coordenação de Segurança de Área para o evento da Posse Presidencial. Em nota, o órgão afirmou que foi realizado um contato oficial com a Anatel para a difusão do conteúdo que seria do "interesse público". O GSI afirmou que o texto foi disparado apenas para os celulares com DDD 61.   

 

A Anatel informou ao Correio que encaminhou às prestadoras do serviço móvel pessoal a solicitação do Comando de Operações Especiais do Exército Brasileiro para o envio de mensagem por meio de SMS, com a orientação sobre os itens proibidos de serem levados à posse. A empresa também classificou o envio como "utilidade pública".  

 

"Às prestadoras coube a operacionalização do envio do SMS. O procedimento não importou encargos para a Administração Pública", disse a nota.  

 

 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade