Publicidade

Correio Braziliense

'Fomos determinantes para eleição de Ibaneis', diz presidente do Sindepo

Comandante da entidade que representa os delegados da Polícia Civil, Rafael Sampaio espera relação melhor entre corporação e governo no novo mandato


postado em 31/12/2018 14:30 / atualizado em 31/12/2018 16:15

(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
 
O presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia Civil do DF, Rafael Sampaio, acredita que a categoria foi determinante para a eleição de Ibaneis Rocha para o Governo do Distrito Federal. “Tivemos essa interferência porque o governo tinha problemas. Os males que afligiam a polícia não eram só da polícia. Nós tivemos coragem de expor”, disse em entrevista ao CB.Poder —  parceira do Correio com a TV Brasília — nesta segunda-feira (31/12). 
 
Crítica ferrenha do atual governador, Rodrigo Rollemberg (PSB), a corporação espera ter mais espaço na gestão de Ibaneis e aposta em boa relação com o novo comandante da Capital. “Hoje estou muito convencido da amizade e da boa fé do governador e de que ele é um homem cumpridor de compromissos. Tenho confiança de que ele cumprirá o que prometeu e, assim, a relação será a melhor possível”, assegurou Sampaio. 

Uma das principais promessas de Ibaneis para a Polícia Civil é a concessão da paridade do salário da corporação com o da Polícia Federal. Em entrevista ao Correio, publicada no domingo, Ibaneis disse que estuda pagar em parcelas o reajuste. Sampaio disse acreditar que o novo governador honrará o compromisso firmado em campanha.

“Os servidores da Polícia Civil, de todos os do DF, foram os que tiveram menos reajustes nos últimos anos. Temos um passivo que precisa ser revisto. Ibaneis tem essa consciência e o desejo político de resolver”, comentou. “Obviamente como qualquer investimento, tem de se fazer uma análise para o pagamento. Nós cremos que ele apresentará a melhor proposta possível”, completou. 

Rixa entre polícias Civil e Militar


Sampaio comentou as rusgas existentes entre as corporações no Distrito Federal. Na visão do presidente do Sindepo, é preciso interferência direta do governo para que a questão seja resolvida. “Cada instituição tem suas pretensões. Quando as pretensões entram em choque, há confronto. Isso se resolve com o governo de fato interferindo na situação.”

Para ele, é fundamental que estejam claras as atribuições de cada uma das forças. “São forças que se avizinham. Quando não se define quem deve ir até onde, isso faz com que haja esse conflito”, avaliou. Ele vê com otimismo a posição de Ibaneis de empoderar o futuro secretário de segurança, Anderson Torres, para lidar com a relação entre corporações. “É uma pessoa que conhece a realidade da cidade e que tem condição de fazer interlocução e de concretizar sessa integração entre as forças. Já conhecíamos e temos certeza de que o trabalho será positivo para o governo.”

Desgaste com Rollemberg


A relação conturbada com o governo de Rodrigo Rollemberg, segundo Sampaio, foi resultado da falta de interlocução entre o GDF e a Polícia Civil. “Nós nos sentimos desprestigiados com relação a muitos outros órgãos. Nós fomos colocados em segundo plano. Compromissos que não custavam nada para o governo não foram cumpridos. Esse comportamento fez com que a gente tenha uma posição mais dura. 
 
Ele contestou ainda a redução nas estatísticas de criminalidade, defendida pelo GDF. Para Sampaio, houve, na verdade, diminuição nos registros. “Somente em um mês, quando que houve fechamento de plantões, ocorreu uma redução de 5 mil crimes. Mas o que houve foi a redução de registros. O cidadão procura facilidade. Delegacia fechada dá a impressão de que a força não está trabalhando”, argumentou. 
 
Sampaio comentou ainda a forte presença de forças nacionais de segurança para a posse presidencial de Jair Bolsonaro (PSL). “A gente tem de compreender que Brasília é a capital federal. A questão da segurança nacional vai ocorrer no perímetro da Esplanada. Temos  que respeitar o trabalho do Gabinete de Segurança Institucional do Governo Federal. Nós estamos muito confiantes que o trabalho está sendo feito com excelência.”
 
Assista à entrevista na íntegra
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade