Publicidade

Correio Braziliense

Exagerou no réveillon? Saiba como curar a primeira ressaca de 2019

Exagerar no álcool nas festas de fim de ano é comum, mas pode intoxicar o corpo. Curar os desconfortos gerados pelo consumo excessivo exige cuidados como hidratação e repouso


postado em 01/01/2019 06:00

(foto: Valdo Virgo/CB/D.A Press)
(foto: Valdo Virgo/CB/D.A Press)
As festas de fim de ano são marcadas pela decoração criativa, pelos fogos de artifício e, claro, pelas diversas opções de bebidas para a comemoração pela chegada de 2019. O início de um novo ano carrega simbologias parecidas para muitas pessoas, como a ideia de se construir novos objetivos e alcançar sonhos. Contudo, a animação pode levar ao exagero nas bebidas alcoólicas. E, no dia seguinte, a ressaca cobra a conta. Desse estado físico resulta um conjunto de sintomas próprios de uma intoxicação, o que ocorre porque o corpo não consegue metabolizar a quantidade de álcool ingerida.

Cuidar de uma ressaca não tem mistério. O difícil é lidar com os desconfortos físicos e mentais. A ingestão exagerada do álcool pode desequilibrar o funcionamento de órgãos, como o intestino e o fígado, assim como pode prejudicar o metabolismo.

Para quem exagerou, como o atendente Felipe Pereira, 23 anos, a dica é descansar para que o corpo consiga se recompor dos excessos. “Minhas ressacas podem ser bem severas, sinto muito os efeitos colaterais. Portanto, me cuido muito para não prolongar esses sintomas. Fico bem quietinho em casa e bebo muito líquido, sobretudo água. Também como muitas frutas, como melancia. Assim, aos poucos sinto o mal-estar diminuir”, diz o morador de Ceilândia.

Psiquiatra e membro da comissão de dependência química da Associação Brasileira de Psiquiatria, Carlos Salgado, que também é diretor da Villa Janus de Porto Alegre, aponta que esses são os cuidados primordiais para a desintoxicação do corpo pelo álcool. “A ressaca nada mais é do que uma resposta do nosso organismo ao álcool, substância que nosso corpo não é preparado para receber. O nosso trato digestivo foi feito para ter contato com proteínas, água, açúcares e um certo grau de gordura. Quando ingerimos bebidas alcoólicas, o que ocorre é como se fosse um ‘envenenamento’. Por isso sentimos um desgaste físico tão grande”, explica. O especialista afirma ainda que a quantidade de álcool ingerida não necessariamente está relacionada ao quadro da ressaca.

O estudante de medicina Vitor Meireles, 23, só bebe em datas especiais, como o réveillon. O jovem não gosta de exagerar no consumo. Mesmo assim, nem sempre consegue se livrar do inconveniente da ressaca. “Para evitar os sintomas, eu vou direto para o banho, para não dormir sujo. Sinto que isso ajuda muito. Depois, o meu foco é na hidratação, porque a sede é inevitável. Mas tenho amigos que acabam recorrendo a remédios específicos para a ressaca”, conta.

Carlos Salgado delimita que não é proibido tomar alguma medicação para melhorar os efeitos, como dor de barriga ou de cabeça. “Esses remédios corriqueiros auxiliam muito a melhorar o quadro físico. Uma dica são os antiácidos de alumínio e magnésio, que diminuem o desconforto digestivo. Mas eles servem apenas como apoio, o restante, nós devemos fazer”, afirmou o psiquiatra.

Palavra do especialista

Carlos Salgado — psiquiatra, membro da comissão de dependência química da Associação Brasileira de Psiquiatria e diretor da Villa Janus de Porto Alegre

O que é a ressaca e como ela atua no organismo?
A ressaca nada mais é do que a resposta do nosso organismo ao álcool, uma substância que o corpo não é preparado para receber. O que ocorre é um estilo de envenenamento, por isso sentimos um desgaste físico tão grande. O álcool transita por todo o nosso corpo, chegando até o cérebro. Ali, pode gerar a inflamação dos neurônios, que não conseguem diluir altas quantidades dessa substância. Consequentemente, sentimos dores fortes dores de cabeça. No nosso intestino, também há a dificuldade de digestão. Esse órgão produz um revestimento de proteção para auxiliar no trabalho de absorção de nutrientes. Quando ingerimos muito álcool, ocorre um desequilíbrio, deixando o intestino sensível. Com isso, ocorre o mal-estar e a dor de barriga. Outro ponto a ser citado é que o consumo alcoólico altera a pressão arterial e, por isso, (a pessoa) não pode se expor a exageros físicos, para que não ocorra uma surpresa ruim.

O que se deve e o que não se pode fazer durante uma ressaca?
Devemos comer alimentos leves, que não pesem no estômago. Hidratar-se é primordial, pois o álcool diminui a quantidade de líquido presente no nosso corpo. Precisamos deixar que nosso organismo se recomponha e, para que isso aconteça, nós temos de escolher bem o que fazer e comer (leia quadro de dicas). Muitas pessoas tentam curar a ressaca bebendo novamente. Isso é muito errado, porque você está impedindo que o corpo consiga se desintoxicar. Outros buscam saunas, o que não é recomendado, porque nesse quadro, é preciso se hidratar, e não perder mais líquido. Por último, não faça exercícios físicos, por mais que já esteja acostumado com eles. Beber pode aumentar a pressão arterial durante o consumo e no dia posterior. Então, se houver um esforço físico, o nosso coração reagirá a isso e pode acontecer alguma surpresa desagradável.

O álcool é o único responsável pela intoxicação? Ou há outros fatores que podem contribuir para este “envenenamento”?
O efeito do álcool no corpo é diferente em cada organismo. Temos alguns fatores que influenciam nessa reação. Algumas pessoas têm uma tolerância ao álcool, ou seja, ingerem a substância em grande quantidade e, mesmo assim, podem não conseguir chegar ao estado de embriaguez. A tendência é que ocorra um consumo intenso e, por isso, o resultado pode ser uma forte ressaca. Mas também temos, por exemplo, quem não sofre com os efeitos colaterais do consumo de álcool. Nos dois casos, pode-se consumir as bebidas afoitamente, gerando problemas a curto e a longo prazo. No último caso, podemos citar o alcoolismo e perda de memória.


O QUE É A RESSACA

» Durante a ressaca, ocorrem mudanças nas concentrações de alguns hormônios, como vasopressina, aldosterona e renina.
» Há a acidose metabólica ou redução do pH do sangue, uma vez que há o aumento de lactato, corpos cetônicos e de ácidos graxos livres.
» Ocorre a produção de substâncias inflamatórias e desidratação, que causa sensação de boca seca e muita sede.
» Estima-se que, a cada quatro doses consumidas de álcool, elimina-se de 600ml a 1.000ml de água do corpo. Isso ocorre pelo fato de o álcool ser diurético e diminuir a concentração de vasopressina, o que intensifica a perda de líquidos do organismo.
» O acúmulo dos componentes químicos derivados da metabolização do álcool também contribuem na produção dos sintomas da ressaca.

PRINCIPAIS SINTOMAS

» Dor de cabeça
» Fadiga
» Náuseas
» Falta de apetite
» Tremores
» Dificuldade de concentração
» Tontura
» Desconforto gastrointestinal
» Sudorese
» Alterações no sono
» Ansiedade
» Irritabilidade
» Diarreia

COMO OCORRE A INTOXICAÇÃO ALCOÓLICA

» A quantidade de álcool consumida é um fator importante. Contudo, o intervalo de tempo do consumo, assim como o tipo de bebida e a ingestão de alimentos também influenciam a ressaca.
» O álcool pode atuar sobre os rins na produção de urina, no trato gastrointestinal e nas concentrações de açúcar no sangue.
» Em um quadro de “envenenamento”, além da perda severa de consciência (ou seja, o despertar não ocorre, ou apenas acontece minimamente, quando há estímulos sonoros ou dolorosos), áreas do cérebro que controlam funções vitais, como respiração, batimentos cardíacos e temperatura do corpo, começam a falhar, podendo levar à morte.

O QUADRO DE INTOXICAÇÃO

» Confusão mental

Dificuldade de se manter acordado

» Vômitos
» Convulsões
» Dificuldade para respirar
» Diminuição da frequência cardíaca e resfriamento do corpo

COMO FORTALECER O SISTEMA IMUNOLÓGICO

» Beba sucos de cenoura, laranja, limão, acerola, melão e tangerina.
» Mantenha o corpo hidratado consumindo água.
» Consuma alimentos com glutamina. O aminoácido pode ser encontrado em carnes, vegetais, iogurte e ovos.
» Consuma alimentos que protegem o fígado, como alho, azeite de oliva, açafrão, chá de boldo e folhas verde-escuras.
» Depois da festa, você pode repor sais minerais e o líquido perdido com isotônico.
» Coma alimentos ricos em proteína, como ovo, frango, carne bovina ou de peixe.
» Coloque o sono em dia, pois a agitação pode causar estresse orgânico. Nesses casos, alimentos antioxidantes e ricos em vitamina C são excelentes.

OS MELHORES ALIMENTOS PARA CURAR A RESSACA

» Água de coco: além de hidratar, a água de coco repõe os minerais perdidos com o consumo de bebidas alcoólicas.
» Água aromatizada com alecrim: ajuda no alívio da dor de cabeça e aumenta a circulação sanguínea.
» Atum e sardinha em lata: ajudam a repor diversos minerais que o corpo perde quando se ingere álcool.
» Frutas: são boa fonte de água, carboidratos, vitaminas e minerais. Elas podem ser consumidas como sobremesas e, também, como opção para pequenos lanches entre as refeições principais. Destaque para a banana, que é ótima fonte de potássio.
» Massas, bolos e pães: são ricos em carboidratos. Transformam-se em açúcar depois de digeridos e fornecem energia para o corpo.
Couve e espinafre: contêm ácido fólico, vitamina C e enxofre, que colaboram com a limpeza do fígado.
» Grãos integrais: possuem muita vitamina B e ácidos, são aliados do processo de desintoxicação produzido pelo fígado para se livrar dos excessos cometidos.
» Ovo: é rico em proteína cisteína, que contém glutationa. Quando o corpo detecta a presença de álcool, produz uma substância tóxica denominada acetaldeído. Em seguida, produz glutationa para evitar intoxicação. Portanto, o ovo é um aliado na cura da ressaca.
» Tomate: é rico em vitamina C, glutationa e potássio. Ele tem propriedades antioxidantes, que ajudam a combater os radicais livres liberados pelo consumo de álcool.
» Chás: boldo e carqueja ajudam a diminuir as toxinas, auxiliam na digestão e diminuem o mal-estar.
» Isotônicos caseiro: 500 ml de água, suco natural de frutas (laranja, limão, uva – 50 ml), açúcar (mascavo, demerara ou cristal – duas colheres de sopa) e sal (uma colher de chá).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade