Publicidade

Correio Braziliense

Rafael Prudente (MDB) é eleito presidente da Câmara Legislativa

O distrital em segundo mandato contou com o apoio de 17 parlamentares. O outro candidato, Cláudio Abrantes (PDT), teve sete votos


postado em 01/01/2019 17:44 / atualizado em 01/01/2019 20:55

Parlamentar em segundo mandato, Rafael Prudente (MDB) foi eleito com 17 votos para a presidência da Casa(foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)
Parlamentar em segundo mandato, Rafael Prudente (MDB) foi eleito com 17 votos para a presidência da Casa (foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)
O deputado distrital em segundo mandato Rafael Prudente (MDB) foi eleito presidente da Câmara Legislativa com o apoio de 17 parlamentares. A votação ocorreu na tarde desta terça-feira (1º/1), após a posse dos 24 distritais e do governador Ibaneis Rocha (MDB).

Prudente teve como concorrente apenas Cláudio Abrantes (PDT). Ao contrário do que ocorreu em legislaturas anteriores, a vitória do emedebista se estabeleceu ao menos duas semanas antes da posse. A costura nos bastidores favoreceu o distrital reeleito, que garantiu o apoio dos colegas com antecedência. Rodrigo Delmasso (PRB) comandará a vice-presidência. À frente das três secretarias executivas, ficarão Iolando (PSC), Robério Negreiros e João Cardoso Professor-Auditor (Avante).

Tanto Prudente quanto Abrantes tinham a simpatia de Ibaneis, que, até por essa razão, preferiu não se envolver tão ativamente na eleição. Com um correligionário na presidência da Casa, o governo deve começar o mandato com base sólida. Até agora, apenas os petistas Chico Vigilante e Arlete Sampaio se declararam, de fato, como oposição.

A sessão foi iniciada às 15h01 pelo deputado Robério Negreiros (PSD), único membro remanescente da mesa diretora anterior. Houve um prazo de 30 minutos para que os parlamentares interessados em concorrer aos cargos se inscrevessem para a disputa. No regimento, o prazo poderia ser de até 60 minutos, mas os distritais concordaram em reduzir o período.

Dois blocos foram formados pelos novos distritais. Para Unir o DF, liderado por Rafael Prudente, ficou com 17 nomes, o que o deu vantagem na disputa dos principais cargos. Outro grupo, liderado por Reginaldo Veras (PDT) e ainda sem nome, contou com sete integrantes.

A sessão se prolongou em discussões sobre a necessidade de proporcionalidade na composição da mesa diretora. Chico Vigilante (PT) defendeu que, pelo entendimento do regimento interno, seria preciso garantir que as minorias estivessem representadas no comando da casa.

A intenção era que o bloco menor, formado por sete deputados, tivesse uma vaga. “Deixar sem voz as minorias é o mesmo que deixar sem voz a representatividade”, destacou Vigilante. “É assim que quer o unir o DF e a CLDF atropelando sete deputados? Sabemos ter harmonia, mas também sabemos ir para o confronto”, disse Vigilante, em indagação a Rafael Prudente. 

Novo presidente

Prudente chegou ao segundo mandato na Câmara Legislativa com 26.373 votos. O distrital de 34 anos é filho de Leonardo Prudente, que exerceu a presidência da Casa de 2009 até a renúncia em 2010, com o envolvimento no escândalo da Caixa de Pandora. Ele foi condenado por improbidade administrativa e abandonou a política, abrindo espaço para o filho.

O ex-distrital acompanhou, pela manhã, a posse de Rafael no novo mandato. Durante a campanha, o empresário formado em administração afirmou que defenderia principalmente a saúde e a geração de empregos na nova legislatura.
 
Três perguntas / Rafael Prudente (MDB), presidente da Câmara Legislativa

Quais serão as primeiras prioridades da gestão na presidência?
Acho que agora nós temos um colegiado. Um presidente não faz nada sozinho. Claro, tem algumas pautas que nós vamos precisar enfrentar. Temos que repaginar o Câmara em Movimento para deixar a população mais próxima da CLDF, dar andamento à TV Legislativa. Queremos abrir espaço para Secretaria do Trabalho atender aqui as pessoas que precisam ser encaminhadas para questão de processos de emprego. Algumas ações internas também precisarão ser feitas. 

O senhor é do mesmo partido do governador e disse que quer ter uma relação de independência com o GDF. Como isso ocorrerá?
Aqui nós trabalhamos com colegiados, temos diversas comissões. Todos os projetos que chegaram serão debatidos. Se precisarem ser alterados, serão alterados de acordo com o que o colegiado decidir e nós vamos pautar os projetos de uma forma normal e natural. Agora a gente inaugura uma fase com mais diálogo e franqueza com o poder legislativo. Vou me colocar nesse papel de conciliador.

Houve renovação grande na Câmara. A população pede mudança, como a nova mesa diretora vai responder a isso? 
A população pede muito por redução de gastos. Vamos discutir aspectos para conseguir fazer isso. As últimas gestões fizeram isso. Neste ano passado, foram devolvidos mais de R$ 60 milhões. Nós vamos continuar com esses ajustes para economizar o máximo possível e dar um retorno para a sociedade com transparência e redução de gastos. 

Composição da mesa

 O grupo de Rafael Prudente concorreu aos cinco cargos da Mesa Diretora. A votação para cada posto ocorre de forma separada. Veja a lista dos eleitos:

Presidente: Rafael Prudente (MDB)
Vice-presidente: Rodrigo Delmasso (PRB)
1º Secretário Executivo: Iolando (PSC)
Suplente: Jorge Vianna (Podemos)
2º Secretário Executivo: Robério Negreiros (PSDB)
3º Secretário Executivo: João Cardoso Professor-Auditor (Avante) 

Comissões


Normalmente, a eleição dos presidentes e vice-presidentes das comissões ficam para o dia seguinte ao da eleição da Mesa Diretora. Neste ano, porém, os distritais optaram por votar a questão na mesma data. Por meio de um acordo, a escolha ficou marcada para esta terça. Ficaram sob a tutela de Reginaldo Sardinha (Avante) e Agaciel Maia (PR) as duas principais comissões —  de Constituição e Justiça (CCJ) e Economia, Orçamento e Finanças (CEOF), respectivamente —, pelas quais devem passar todos os projetos antes de serem avaliados pelo Plenário.

Os parlamentares também decidiram que,  a partir de fevereiro, a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos, Cidadania, Ética e Decoro Parlamentar será dividida em duas: uma voltada para os Direitos Humanos e outra para a Ética e Decoro Parlamentar.

A questão da data gerou atrito entre os dois blocos. O grupo em menor número defendia que a escolha dos presidentes das comissões ocorresse na primeira sessão legislativa regular, em 1º de fevereiro. Entretanto, o bloco maior se saiu vitorioso mais uma vez e a definições se deram na sessão de hoje. Contrários à votação nesta terça, Chico Vigilante (PT) e Júlia Lucy, por exemplo, assumiram o comando de algumas áreas. Confira como ficou a composição: 

Comissão de Constituição e Justiça
Presidente: Reginaldo Sardinha (Avante)
Vice: Martins Machado (PRB)

Comissão de Economia, Orçamento e Finanças
Presidente: Agaciel Maia (PR)
Vice: José Gomes (PSB) 

Comissão de Assuntos Fundiários
Presidente: Hermeto (PHS)
Vice: Valdelino Barcelos (PP) 

Comissão de Educação, Saúde e Cultura
Presidente: Jorge Vianna (Podemos)
Vice: Fernando Fernandes (Pros)

Comissão de Segurança
Presidente: Roosevelt Vilela (PSB)
Vice: Fernando Fernandes (Pros)

Comissão de Mobilidade
Presidente: Valdelino Barcelos (PP)
Vice: Reginaldo Sardinha (Avante)

Comissão de Desenvolvimento Econômico Sustentável, Ciência, Tecnologia, Meio Ambiente e Turismo
Presidente: Eduardo Pedrosa (PTC)
Vice: Jaqueline Silva (PTB)

Comissão de Assuntos Sociais
Presidente: Martins Machado (PRB)
Vice: José Gomes (PSB)

Comissão de Defesa do Consumidor
Presidente: Chico Vigilante (PT)
Vice: João Cardoso (Avante) 

Comissão de Defesa dos Direitos Humanos, Cidadania, Ética e Decoro Parlamentar
Presidente: Fábio Félix (PSol)
Vice: Agaciel Maia (PR)

Comissão de Fiscalização, Governança, Transparência e Controle
Presidente: Jaqueline Silva (PTB)
Vice: Leandro Grass (Rede)

Procuradoria da Mulher: Júlia Lucy (Novo)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade